Kátia Abreu protesta contra ideia de taxar exportação de boi vivo

Publicado em 01/03/2012 07:43 723 exibições
Em discurso nessa quarta-feira (29), a senadora Kátia Abreu (PSD-TO) protestou contra uma investida de frigoríficos brasileiros que querem taxar a exportação do boi vivo, o chamado gado em pé, em 30% sobre o volume exportado. Segundo a parlamentar, as indústrias consideram que a venda de bois vivos para fora do país enfraquece a cadeia produtiva, mas no fundo intentam criar uma reserva de mercado.

- Querer tributar o setor primário brasileiro? Com meu silêncio não. Tenho certeza que o Ministério da Agricultura não vai permitir esse retrocesso. Se tiver que taxar exportação, tem que taxar soja, minério, só boi não - afirmou.

Os frigoríficos - representados pela Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec), a Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo) e a União das Indústrias Exportadoras de Carne (Uniec) - afirmam que a exportação do boi vivo diminuiria a oferta de carne para consumo interno, o que elevaria o preço, e deixaria de gerar empregos no país. A senadora, entretanto, afirmou que 80% da produção brasileira são para consumo interno, e que nos 20% exportados, também há reses para reprodução, transferência de tecnologia brasileira, não apenas para abate. Ela lembrou ainda que as fazendas no país empregam mais de 15 milhões de trabalhadores.

Na opinião de Kátia Abreu, os frigoríficos hoje estão "provando do próprio veneno", pois quando houve uma queda abrupta do preço do gado, há cinco anos, produtores tiveram que matar vacas, já que não eram remunerados adequadamente na venda. Quando os convém e o preço está baixo, afirmou, vale a lei da oferta e da procura, mas quando o preço começa a se restabelecer, aí os frigoríficos vão ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio pedir a criação de uma reserva de mercado, criticou a senadora. Kátia Abreu alertou para o fato de que a Argentina seguiu por esse caminho, taxou as exportações e hoje enfrenta crise.

- Vamos repetir o exemplo distorcido e transferir a renda do produtor, que trabalha de sol a sol, para o dono de frigorífico que fica no ar-condicionado? Não - afirmou.

Tags:
Fonte:
Agência Senado

1 comentário

  • victor angelo p ferreira victorvapf nepomuceno - MG

    Senadora e com relação as importações de porcos e pintos que não deixam raça aquí no Brasil, configurando então uma importação para consumo. o que é proibida, como é que fica? Náo seria melhor desenvolvermos as pesquisas que foram interrompidas pela antiga Granja Guanabara? Se pararem as importações, em poucas semanas faltarão, carne de frango, ovos em todo pais...Quer dizer que estamos dependentes de uma autorização precária do antigo Ministro Mario Henrique Simonsem...Isto lá pelos idos de 1976...

    0