Café: Preços podem continuar recuando em NY e produção mundial deve diminuir

Publicado em 15/03/2013 12:32 934 exibições
Por Izadora Pimenta

As negociações futuras do café arábica, que perdeu metade de seu valor nos últimos dois anos, irão continuar caindo, devendo atingir o preço mais baixo desde 2009 por conta de uma produção recorde mundial, liderada pelo Brasil, mostrou uma pesquisa feita pela Bloomberg.

A variedade irá cair para $1,357 a libra em 30 de junho, de acordo com a média estimada por 14 corretores e analistas consultados pela agência, o que significa uma queda de 10% em relação ao fechamento desta quinta-feira (14), que atingiu a marca de $1,3965 em Nova York.

O Brasil, maior produtor e exportador do mundo, colheu um recorde de 51 milhões de sacas na última temporada, segundo a Safras & Mercado. Com o início da próxima colheita em maio, os estoques em armazéns monitorados pela ICE Futures U.S. já são os maiores desde março de 2010. 

"Nós não vemos esse número de estoque em muitos anos", Christian Wolthers, presidente do Wolthers America, importador em Fort Lauderdale, na Flórida, disse em uma entrevista por telefone. "Os produtores estão retendo café. A certo ponto eles irão começar a vender para abrir caminho para a nova colheita".

Os altos preços de dois anos atrás e melhores práticas de cultivo ajudaram a impulsionar a produção no Brasil, onde a produção chegou a 28 milhões de sacas em 1 de janeiro, de acordo com a Terra Forte Exportação e Importação de Café Ltda. A colheita do arábica este ano será a maior de um período de bienalidade.

Café: Preços baixos do arábica podem diminuir a produção mundial, projeta OIC

Por Fernanda Custódio

Nesta quinta-feira (14), o diretor executivo da Organização Internacional do Café (OIC), Roberio Oliveira Silva, estimou que a produção global de café pode diminuir gradualmente. Com os baixos preços do grão os cafeicultores estão desanimados e devem migrar para o plantio de culturas mais rentáveis ou até mesmo vender suas terras para empreendimentos imobiliários.

Além disso, a oferta maior do café arábica tem alavancado o prêmio da variedade frente ao café robusta,  que é mais barata. A diferença entre as cotações futuras das duas variedades do café alcançaram, no dia 07 de fevereiro, seu patamar mais ajustado desde o mês de abril de 2009, em 45,54 centavos de dólar por libra-peso. 

De acordo com o vice-presidente da Cooxupé, Carlos Augusto Rodrigues de Melo, explica que o mercado entende que, com a produção recorde de cerca de 52 milhões de sacas no Brasil na temporada 2012/13 e nesse ano próximo de 50 milhões de sacas, existe uma oferta excessiva no país o que contribui para pressionar negativamente as cotações no mercado internacional.

“No entanto, isso não significa que haja uma sobra de café no mercado, visto que o Brasil demanda volume expressivo de café, e somado o consumo interno e oferta para exportação gira em torno de 4 milhões. O setor necessita de um ordenamento da oferta do café em doze meses, e não em quatro meses como é feita”, explica Melo.

Por outro lado, a relação entre custo e benefícios é desfavorável aos produtores brasileiros. Com os altos custos de produção, e os baixos preços do café, os cafeicultores seguram o produto à espera de cotações melhores. 

“No Sul de Minas Gerais, os custos giram em torno de R$ 350,00 para a cafeicultura de montanha, enquanto que o produto é comercializado a R$ 290,00 a saca. Com isso, os produtores não conseguem equalizar as contas. O momento é difícil, e caso não seja tomada uma medida a cafeicultura de montanha poderá acabar”, alerta o presidente do Sindicato Rural de Guaxupé, Mário Guilherme do Valle.
Tags:
Por:
Fernanda Custódio e Izadora Pimenta
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

1 comentário

  • victor angelo p ferreira victorvapf nepomuceno - MG

    Não tem nada disto, o que está acontecendo na minha opinião, são as liquidações dos financiamentos que foram feitos pelas cooperativas quando o café estava a 400,00...Estupidamente deram um preço mínimo de 270 reais a saca para financiamento...A maioria pegou mais que depressa pra manter em estoque o seu café...Esta burra política é a responsavel direta por estas baixas...Quando acabar estas liquidações, o preço obviamente vai disparar...Se não começar já...

    0