NY: Café realiza lucros após forte alta e opera em campo negativo nesta 6ª

Publicado em 30/05/2014 08:41 e atualizado em 30/05/2014 09:53 597 exibições

Nesta sexta-feira (30), o mercado do café arábica trabalha em queda na Bolsa de Nova York, registrando um movimento de realização de lucros. Os principais vencimentos, por volta das 8h (horário de Brasília), perdiam entre 500 e 700 pontos, com exceção do contrato maio/15, que era cotado a 191,35 centavos de dólar por libra-peso e subia 560 pontos. 

Ontem, as cotações conseguiram recuperar parte das quedas da semana e fecharam o pregão com altas superiores a 500 pontos, recuperando o patamar de US$ 1,80/libra-peso. O mercado internacional do arábica tem apresentado, nos últimos meses, um padrão de volatilidade, segundo explicou Eduardo Carvalhaes, analista de mercado, já que tenta manter sua estabilidade em um "compasso de espera".

 “O mercado já vem oscilando há mais de dois meses e, nesta semana, até que a amplitude das oscilações foi menor", afirma Carvalhaes. 

Paralelamente, o analista explica ainda que a colheita no Brasil não está tão adiantada como era esperado para essa época do ano, o que traz ainda mais incerteza ao mercado sobre o tamanho da safra brasileira, intensificando a volatilidade entre os negócios. 

Veja como fechou o mercado nesta quinta-feira:

Café: NY recupera perdas e fecha sessão com altas acima dos 500 pontos

Por Fernanda Bellei

Depois de registrar quedas nos últimos dias e perder o patamar dos US$ 1,80 para alguns contratos na sessão de ontem, o mercado do café arábica fechou em alta nesta quinta-feira (29), com ganhos acima dos 500 pontos para os contratos para entrega mais próxima. 

O vencimento julho fechou em 181,95 centavos de dólar por libra-peso e o setembro em 184,35 cents, ambos com 580 pontos de alta. O contrato para entrega em dezembro ganhou 570 pontos e encerrou valendo 187,60 cents / libra-peso. Já o contrato março/2015 alcançou os 190,30 cents, com alta de 565 pontos. 

O movimento de alta, segundo o analista de mercado Eduardo Carvalhaes, faz parte do padrão de volatilidade que o mercado vem apresentando nos últimos meses. “O mercado já vem oscilando há mais de dois meses e, nesta semana, até que a amplitude das oscilações foi menor... Hoje fecha em alta, amanhã pode fechar em alta... Mas o mercado como um todo, tanto na Bolsa de Nova Iorque quanto no mercado físico, é de compasso de espera”.

Chegada de frente fria 
A previsão de chegada de uma nova frente fria na região sudeste a partir do dia 10 de junho, e que deve atingir as áreas produtoras de café em Minas Gerais, podem ter estimulado as altas, de acordo com o analista de mercado Sérgio Carvalhaes. 
Segundo a Somar Meteorologia, a onda de frio deve permanecer até o dia 12 de junho e provocar oscilações entre 3°C e 8°C. Temperaturas abaixo de 2°C já são suficientes para provocar geadas. 

Outro fato que pode ter estimulado as altas de hoje foi a divulgação da previsão de uma quebra de 40% na produção brasileira de café, feita pela empresa Ipanema Coffees, a principal fornecedora da cafeteria Starbucks. 

Andamento das colheitas
Eduardo Carvalhaes afirma que as colheitas de café arábica não estão tão adiantadas quanto se esperava, o que provoca ainda mais incertezas entre os compradores a respeito do tamanho da safra. 

Segundo informações do Deral (Departamento de Economia Rural), a área colhida no Paraná já chegou a 12%. Na região de Varginha-MG, a colheita já estaria entre 10% e 15%, segundo produtores da região. 

Já em Guaxupé-MG, a área colhida não chega aos 10%, segundo o presidente do Conselho Regional de Café da região de Guaxupé-MG, Fernando Barbosa.

O mercado físico também fechou com altas nas principais praças. Em Poços de Caldas-MG, a saca de 60 kg do café tipo 6, bebida dura, subiu 3,08% e é comercializada a R$ 402,00. Em Guaxupé-MG, a alta foi de 0,47% e a saca atingiu R$ 424,00. Araguarí-MG teve alta de 4,76% e a saca alcançou o preço de R$ 440,00. 

Tags:
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário