Fundação Procafé registra quatro novas cultivares de café no Mapa

Publicado em 25/09/2014 16:26 e atualizado em 08/03/2020 17:18 1636 exibições

Novas cultivares de café arábica já estão disponíveis para plantio por parte dos cafeicultores, depois que seu registro junto ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) foi feito recentemente, em junho de 2014, pela Fundação Procafé.

São quatro cultivares denominadas Guará, Beija Flor, Asabranca e Siriema AS 1, materiais genéticos que reúnem boas característica vegetativas e produtivas. São todos com plantas de porte baixo, possuem boa produtividade e vigor, também todos com resistência à ferrugem e, no caso da Siriema, também resistência ao bicho mineiro.

As cultivares Guará e Beija Flor são oriundas de seleções dentro do material de Catucai Vermelho, híbrido natural entre o Icatu e o Catuai, que apareceu em São José do Vale do Rio Preto (RJ), em 1984-85, e que foi selecionado, em gerações sucessivas, na Fazenda Experimental de Varginha (MG) e em campos de diversas regiões cafeeiras. Guará descende da cv 20-15-476 e Beija Flor da cv 36-6-365.

A cultivar Beija Flor – mostra-se com alto vigor e boa tolerância também a períodos de stress hídrico. Apresenta bons níveis de produtividade e maior resistência à ferrugem, sendo, em relação às demais, a com maturação mais precoce dos frutos, de cor vermelha.

A cultivar Guará – depois de várias seleções feitas na região de cerrado, tem se mostrado muito produtiva, com boa tolerância à ferrugem e alto vigor, evidenciando, ainda, em trabalhos iniciais, maior tolerância à Pseudomonas. As plantas apresentam porte baixo, porém com maior altura em relação ao Catuai. Os frutos são vermelhos, de bom tamanho e de maturação média e mais uniforme.

A cultivar Asabranca – é oriunda do material de Acauã, resultado do cruzamento, feito na década de 1980, no ex-IBC de Londrina, entre o Sarchimor 1668 e o Mundo Novo. As seleções em seguida foram feitas nas Fazendas Experimentais de Caratinga (MG) e Varginha e, mais recentemente, o material foi selecionado no cerrado mineiro, em Coromandel, onde foram destacadas as cvs 65 e 66, que apresentam alta produtividade e maior uniformidade de maturação. O nome Asa branca, um pássaro, como o Acauã, também do sertão, deve-se ao fato de que o material tem apresentado boa tolerância à seca. A resistência à ferrugem chega, até o momento, ao nível de imunidade, a tolerância ao nematoide M. exígua é boa, os frutos são de cor vermelho escura, quase vinho, e de maturação tardia.

A cultivar Siriema AS 1 – é oriunda do material de Siriema, cruzamento entre C. arabica (M. Novo), com C. racemosa, com seleção em seguida e retrocruzamento com catimor, realizado na década de 1980, na Fazenda Experimental de Caratinga, seguindo-se seleções em Varginha e, mais recentemente, nos Campos de Coromandel e Varjão de Minas, no cerrado mineiro, região muito atacada pelo bicho mineiro. A cultivar tem porte baixo e menor diâmetro de copa, o que facilita para plantios mais adensados, o que compensa sua menor produtividade por planta. Sua grande vantagem é a resistência múltipla, aos dois principais problemas fitossanitários do cafeeiro: a ferrugem e o bicho mineiro. Ela se apresenta com alto nível de resistência mesmo quando reproduzida por sementes, o que tem sido difícil em outras seleções do Siriema, as quais vem sendo reproduzidas por clonagem. A outra vantagem é sua alta precocidade de maturação, o que dá para combinar bem em programas de colheita, especialmente em regiões muito frias. Os frutos são de cor amarela e apresentam grãos dentro da normalidade quanto a chochos, chatos e conchas.

Mais informações sobre as características das cultivares e sobre a disponibilidade de sementes podem ser obtidas através do e-mail [email protected].

Tags:
Fonte:
Procafé

0 comentário