Há muito café nas áreas produtoras do Brasil, diz executivo de indústria nos EUA

Publicado em 23/08/2016 10:35
343 exibições

LOGO REUTERS 2.0

NOVA YORK (Reuters) - Há "um monte de café" nas áreas produtoras do Brasil, o maior produtor e exportador global da commodity, afirmou nesta terça-feira um executivo da J. M. Smucker, a maior torrefadora de café dos Estados Unidos.

Os comentários foram feitos em momento em que o Brasil caminha para o final da colheita da temporada de 2016, que sofre o efeito de adversidades climáticas, como seca severa em abril e chuvas volumosas em junho.

O vice-presidente para café e serviços alimentícios da empresa, Steven Oakland, disse ainda que a companhia está confortável com os cortes nos preços do varejo que fez no início do ano.

"Nós nos sentimos muito confortáveis ​​com as mudanças de preços que fizemos dada a cobertura que tivemos", disse Oakland, em comentários durante a divulgação do resultados do primeiro trimestre fiscal de 2017.

(Por Luc Cohen)

Tags:
Fonte: Reuters

1 comentário

  • eriveuton mauri São Gabriel da Palha - ES

    Muitos produtores de cafe ainda esperam preços melhores ... gente, pela crise que estamos passando nao tem como os cafes melhorarem de preço (o preço atual está excelentissimo)... sou produtor e sei dos custos.... o café, com esse preço, dá 50% de lucro!!!... entao, gente, pelo amor de Deus, parem de reclamar!

    14
    • LEONARDO BOMTEMPOSãO GOTARDO - MG

      Erivelton você deve estar falando de café conilon! Porque arábica aqui no cerrado, a 500,00 está dando só o custo!

      1
    • ERIVEUTON MAURISÃO GABRIEL DA PALHA - ES

      sim meu amigo !.esse cafe que estou falando e do conilon .desculpe por nao ter citado o cafe que me referi.Do cafe arabica pelo conilon acho que o preço esta meio defasado ne

      0
    • JERONIMO RIGONIJAGUARé - ES

      Meu amigo de São Gabriel da palha, para um produtor que sofreu com a seca que deve ser seu caso é tenha água ainda para irrigar as lavouras tudo bem que talvez o custo do Conilon fique nos 50% com esses preços atuais na casa de 400 reais. Mas são a minoria dos produtores do ES que colherão uma safra boa e que irão ou nem sabem se colherão safra em 2017 se continuar esse clima como está. Com uma produtividade peguena como é o caso da maioria dos produtores o custo por saca sobe lá pra cima, neste caso sua opinião reflete uma pequena minoria dos produtores do ES que possuem água ainda para irrigar suas lavouras.

      1
    • JERONIMO RIGONIJAGUARé - ES

      *para um produtor que não sofreu com a seca

      0