Seca atinge safra de café no Vietnã, mas chuvas tardias trazem boas perspectivas para 2017/18

Publicado em 06/12/2016 13:18
81 exibições

Após ter sido atingida pela seca, a safra de café no Vietnã deve cair mais do que o esperado, chegando a um mínimo em quatro anos.

O escritório do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) em Hanói diminuiu para 26,6 milhões de sacas a previsão da produção de café em 2016/17 no país, que é o segundo maior produtor mundial. Este resultado representa uma queda de cerca de 2,3 milhões de toneladas, ou 8% ao ano.

A baixa, porém, foi menos sombria do que outras estimativas, ainda mais se tratando de uma temporada marcada pela seca causada pelo El Niño.

A Associação de Café e Cacau do Vietnã, a Vicofa, prevê uma queda de 10% a 20% na produção, estimativa que também é apoiada pela exportadora Intimex. A BMI Reseach, por outro lado, prevê uma safra de 26,88 milhões de sacas.

O impacto das chuvas tardias, no entanto, foi essencial para ajudar as árvores a se recuperarem dessas condições, o que deixou muitos cafeeiros enfraquecidos e resultou em árvores produzindo menos cerejas.

Melhores condições para 2017/18

As chuvas, a partir do mês de agosto, ajudaram os cafeeiros a se recuperar de um período árido e seco.

As chuvas noturnas e um sol adequado durante o dia foram condições favoráveis para o desenvolvimento e o crescimento do café.

Por outro lado, as chuvas também estimularam a aplicação de fertilizantes, que precisam de umidade para adentrar a planta. Dessa forma, ajudou os cafeicultores a fornecerem a nutrição adequada para produzir ramos úteis para a safra 2017/18.

Café x outras culturas

Poderá haver também um possível retrocesso na produção de café do país, devido à concorrência com outras culturas nas preferências dos agricultores.

Para gerar rendimentos mais elevados, muitos acabam migrando para culturas como abacate, maracujá e pimenta preta - esta última, da qual o país é o principal exportador.

A expansão pode representar uma ameaça para a produção de café na principal área de cultivo, a Central Highlands, além de Dak Lak, onde as terras aráveis são limitadas.

Perspectivas de exportação

As exportações de café do Vietnã em 2016/17 devem ficar em 25,1 milhões de sacas, 2,1 milhões abaixo da previsão oficial do USDA, representando uma queda de mais de 4,4 milhões de sacas ano a ano.

Como o Vietnã é o principal produtor de café robusta, a colheita decepcionante do país também tem sido uma questão especial para os compradores desse mercado, tendo em conta também as falhas na produção do Brasil e da Indonésia.

Muitos compradores buscaram suprimentos de arábica de qualidade inferior como substituição ao robusta, aumentando a resistência dos preços no mercado de arábica, antes da correção de meados de novembro.

Tradução: Izadora Pimenta

Fonte: Agrimoney

0 comentário