Café: Bolsa de Nova York cai mais de 200 pts nesta 5ª feira em ajustes e de olho na oferta

Publicado em 27/12/2018 17:25
197 exibições

LOGO nalogo

As cotações futuras do café arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) recuaram mais de 200 pontos nesta quinta-feira (27). O mercado externo do grão trabalhou em baixa durante o dia em processo de ajustes ante a alta expressiva da véspera, mas também esteve atento às informações da oferta.

O vencimento março/19 encerrou o dia com queda de 215 pontos, a 101,75 cents/lb e o maio/19 teve recuo de 210 pontos, a 104,90 cents/lb. Já o contrato julho/19 registrou na sessão 107,75 cents/lb com desvalorização de 205 pontos e o setembro/19 registrou 110,55 cents/lb e baixa de 200 pontos.

Depois da alta de mais de 400 pontos na véspera com o petróleo e outros fatores técnicos, o mercado externo do arábica passou a recuar forte em movimento de acomodação na sessão desta quinta-feira. Além disso, segundo reportes de agências internacionais, a oferta global voltou a pesar.

"A safra brasileira está sendo comercializada agora e estimativas de produção são elevadas e variam até 63,7 milhões de sacas. Essa é uma grande colheita e a principal razão para ver o preço em Nova Iorque tão baixo quanto está agora", disse o vice-presidente da Price Futures Group, Jack Scoville.

Na semana passada, a consultoria Safras & Mercado renovou o otimismo do mercado com a oferta de café ao estimar uma produção recorde no país de e 63,7 milhões de sacas de 60 kg após verificações em entidades do setor. Levantamentos da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) e USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) apresentaram anteriormente números parecidos.

"Relatos de produtores, apontando resultado acima do esperado, e os armazéns cheios de café, antecipavam que a produção em 2018 era maior que a esperada inicialmente", disse o analista de mercado da Safras, Gil Carlos Barabach. Ante 2017, houve um crescimento de 25,4% na safra.

Mercado interno

O mercado brasileiro segue lento neste final de ano e o cenário ao longo de 2018 não foi diferente. "Com os preços enfraquecidos ao longo do ano, produtores de arábica e de robusta consultados pelo Cepea se mantiveram mais retraídos do mercado, mantendo a liquidez interna mais baixa", destacou o Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, da Esalq/USP).

O café tipo cereja descascado registrou maior valor de negociação em Guaxupé (MG) com saca a R$ 450,00 e queda de 0,66%. A maios oscilação no dia ocorreu em Poços de Caldas (MG) com baixa de 1,81% e saca a R$ 435,00.

O tipo 4/5 registrou maior valor de negociação em Franca (SP) com saca a R$ 425,00 - estável. A maior oscilação no dia ocorreu em Poços de Caldas (MG) com queda de 1,96% e saca a R$ 400,00.

O tipo 6 duro registrou maior valor de negociação em Vitória (ES) com saca a R$ 442,00 e estabilidade. A maior oscilação ocorreu na Média Rio Grande do Sul com baixa de 3,61% e saca a R$ 400,00.

Na quarta-feira (26), o Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6, bebida dura para melhor, teve a saca de 60 kg cotada a R$ 417,17 e alta de 0,99%.

» Clique e veja as cotações completas do café

Por: Jhonatas Simião
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário