Café: Vencimento julho/19 retoma o patamar de US$ 1/lb em NY com condições do tempo no BR

Publicado em 30/05/2019 17:43
514 exibições

LOGO nalogo

Os futuros do café arábica avançaram pela terceira sessão seguida nesta quinta-feira (30) na Bolsa de Nova York (ICE Futures US). O mercado externo continua acompanhando as informações do tempo no Brasil, que podem afetar a qualidade, além do câmbio.

O vencimento para julho/19 tiveram alta de 285 pontos, a 102,35 cents/lb e o setembro/19 subiu 295 pontos, a 104,70 cents/lb. O dezembro/19 fechou o dia com ganhos de 285 pontos, a 108,15 cents/lb e o março/20 registrou 111,50 cents/lb e 280 pontos positivos.

Com as altas recentes do café arábica, o vencimento julho/19, referência de mercado, retomou o patamar de 100,00 cents/lb nesta quinta-feira. Durante o dia, os futuros oscilaram entre máxima de 102,75 cents/lb e mínima de 99,48 cents/lb, segundo dados do site Investing.

Os operadores no terminal externo estão acompanhando de perto as condições do tempo no Brasil, maior produtor e exportador. As chuvas podem impactar a colheita do café, mas também afetam a qualidade dos grãos no terreiro. O frio também segue sendo uma preocupação.

"Não é certeza que o frio pode causar danos de alguma forma ao café, mas esse é um lembrete importante nessa época do ano no Brasil", destacou em informativo o vice-presidente da Price Futures Group, Jack Scoville.

A previsão do tempo aponta que as chuvas devem diminuir nos próximos dias sobre áreas produtoras de Minas Gerais, maior estado produtor do país. No entanto, o frio ainda pode dar as caras nos próximos dias, segundo dados do Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia).

A colheita do café no Brasil atingiu 22% da produção total esperada até o dia 28 de maio, segundo estimativa da consultoria Safras & Mercado. Uma alta de seis pontos percentuais de uma semana para a outra, o que já representa 13 milhões de sacas de 60 kg.

Leia mais:
» Colheita de café do Brasil atinge 22% do esperado até 28 de maio, diz Safras

O câmbio também contribuiu com os ganhos das cotações futuras do arábica em mais um dia. O dólar comercial encerrou a sessão perto da estabilidade, com alta de 0,07%, a R$ 3,9790 na venda, acompanhando o cenário político no Brasil e exterior, mas chegou a cair quase 1% em parte do dia.

"O real testou alta de duas semanas e meia em relação ao dólar nesta quinta-feira, o que provocou uma cobertura de vendidos no café arábica. Um real mais forte desestimula as exportações por parte dos produtores brasileiros", destacou o site internacional Barchart.

Mercado interno

Os preços do café arábica subiram no Brasil e se aproximam de R$ 450,00 a saca em alguns tipos acompanhando o exterior. "Os maiores patamares de preços atraíram vendedores ao mercado, elevando a liquidez interna", destacou em nota nesta quarta-feira o Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, da Esalq/USP).

O café tipo cereja descascado registrou maior valor em Guaxupé (MG) com saca a R$ 460,00 e alta de 2,22%. A maior oscilação no dia ocorreu em Varginha (MG) com avanço de 6,25% e saca a R$ 425,00.

O tipo 4/5 registrou maior valor de negociação em Franca (SP) com saca a R$ 425,00 e alta de 1,19%. A maior oscilação no dia ocorreu em Poços de Caldas (MG) com saca a R$ 415,00 e alta de 2,47%.

O tipo 6 duro registrou maior valor de negociação em Guaxupé (MG) com saca a R$ 433,00 e alta de 2,61%. A maior variação dentre as praças ocorreu em Varginha (MG) com alta de 3,80% e saca a R$ 410,00.

Na quarta-feira (29), o Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6, bebida dura para melhor, teve a saca de 60 kg cotada a R$ 409,81 e alta de 2,20%.

» Clique e veja as cotações completas do café

Por: Jhonatas Simião
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário