Cooxupé diz que já vendeu toda sua oferta de café; novos lotes só em julho de 2020

Publicado em 18/10/2019 19:00 e atualizado em 19/10/2019 04:00
1484 exibições

LOGO REUTERS

Por Marcelo Teixeira

SÃO PAULO (Reuters) - A Cooxupé, maior cooperativa de café do mundo e exportadora número 1 do Brasil, afirmou nesta sexta-feira que basicamente vendeu toda a sua oferta em contratos com entregas que se estendem até maio ou junho do ano que vem.

O superintendente comercial da Cooxupé, Lúcio de Araújo Dias, disse que a cooperativa atendeu recentemente a uma demanda surpreendentemente forte, e que enfrentará dificuldades para formar novos lotes para novas encomendas de agora em diante, apesar de os cafeicultores brasileiros terem recém finalizado a colheita da safra 2019.

"Se o cliente pedir, tenho que trabalhar pra ver se consigo.. (Mas) consegue pouca coisa, o que está em depósito já tem compromisso", disse Dias.

Seus comentários contrastam com a visão geral do mercado, de que as ofertas são amplas, com a produção superando o consumo nos últimos anos e a expectativa de que o Brasil atinja produção recorde em 2020.

Dias afirmou que está ciente das conversas mencionando uma grande safra brasileira no ano que vem, mas que "até chegar lá tem um tempo".

Novos lotes de café da safra 2020 do Brasil chegarão ao mercado apenas por volta de julho do próximo ano.

"Os fundos venderam uma quantidade enorme de café nos últimos 30 dias, e esse café não existe, então não sei como vai ficar isso", disse Dias.

Os fundos têm se mantido fortemente vendidos nos mercados de café e açúcar nos últimos tempos, apostando que os preços vão seguir pressionados devido aos aumentos de produção.

Apesar dos comentários da Cooxupé, a maioria dos analistas de mercado espera uma produção de café abundante no Brasil em 2020, com alguns deles sugerindo números que chegam a 70 milhões de sacas.

Tags:
Fonte: Reuters

3 comentários

  • jarbas pedrosa moura São Francisco do Glória - MG

    Para esses analistas( tendenciosos) a safra sempre é maior que a verdadeira e o consumo menor que o realmente é. Jogar um número no mercado é muito fácil sentado no ar condicionado, não vem sujar a sola do sapato na poeira porque barro não existe nesse momento, precisamos é de união. Um fundo de equalização de preços gerido pelos produtores até sem interferência de cooperativas, um preço mínimo que cumpra a legislação proporcionando renda, decreto proibindo aumento de área por um tempo determinado, alongamento de prazos para pagamento de dívida e o governo intermediar a exportação direta do produtor até o destino do café acabando com o que destrói o produtor que são os atravessadores e os exportadores com a ganância de mandar pra fora a qualquer preço. Quase todo produtor pode ser exportador e quase nenhum exportador é um produtor.

    2
    • Jair Del Cól Valinhos - SP

      Concordo com o Jarbas e reforço com a minha opinião sobre os dados usuais de expectativa de safras brasileiras. Deve ser algo proposital porque é impossível errar tanto. Nesta safra atual, projetaram um volume absurdo, sem lógica alguma. Inclusive a Cooxupé. A safra real acabou sendo bem mais baixa do que o anunciado pelos "especialistas". Erros ou manobras?

      0
  • Carlos Rodrigues

    Os tais especialistas que calculam 70 milhõesde sacas... gostava de os conhecer .....

    0
    • Jair Del Cól Valinhos - SP

      Anote aí Carlos Rodrigues: Não vai passar de 55 milhões de sacas.

      0
  • Jair Del Cól Valinhos - SP

    Finalmente a Cooxupé se pronuncia de forma realista e que alavanca os preços do café.

    3
    • jarbas pedrosa moura São Francisco do Glória - MG

      Gostaria de conhecer é esse indivíduo que fica nos criticando aí com esse dedo pra baixo aposto que é um atravessador

      0
    • JOSE LUIZ PELOSO RABELO CAMPOS GEARIS - MG

      o escritório Carvalhaes tbem esta alinhado com a Cooxupe, e a safra atual acaba antes de iniciar a próxima.

      0
    • JOSE LUIZ PELOSO RABELO CAMPOS GEARIS - MG

      florada não vingou 60%

      0