Café arábica tem altas próximas dos 300 pts nesta 6ª feira na Bolsa de Nova York

Publicado em 25/10/2019 17:09
681 exibições

LOGO nalogo

Os futuros do café arábica encerraram a sessão desta sexta-feira (25) com altas próximas dos 300 pontos na Bolsa de Nova York (ICE Futures US). O mercado teve suporte durante o dia acompanhando o câmbio e em movimentações técnicas ante as recentes perdas.

O vencimento dezembro/19 registrou alta de 300 pontos, negociado a 99,45 cents/lbp e o março/20 anotou 102,85 cents/lbp com valorização de 295 pontos. O maio/20 avançou 285 pontos, a 104,95 cents/lb, e o julho/20 subiu 275 pontos, a 106,95 cents/lbp.

"O mercado subiu bastante durante a semana e me parece que essa oscilação é muito mais atrás de resultados de curto prazo, especulativos desses grandes fundos na Bolsa de Nova York do que do meercado físico", diz Eduardo Carvalhaes, analista do Escritório Carvalhaes.

Além das movimentações técnicas, o mercado externo do arábica também teve suporte importante durante a sessão do câmbio. Às 16h56, o dólar comercial tinha queda de 0,81%, cotado a R$ 4,012 na venda, acompanhando a cena externa positiva com Brexit e China x EUA.

O dólar mais alto em relação ao real tende a desencorajar as exportações das commodities agrícolas, mas em compensação pesa sobre os preços externos da variedade. O Brasil é o maior produtor e exportador de café do mundo.

"Temos uma cena externa que voltou a alimentar o otimismo no mercado. Existe uma visão de que dois dos principais impasses externos (Brexit e guerra comercial EUA-China) estão de fato caminhando e isso alimenta o viés de queda que o dólar já vinha recebendo na semana", disse à Reuters Alessandro Faganello, operador de câmbio da Advanced Corretora.

O arábica recuou nos últimos dias acompanhando as informações do Brasil e de amplos suprimentos na safra global. Envolvidos no mercado brasileiro, no entanto, já relatam dificuldades em fechar negócios futuros pela escassez de café.

Na última semana, a Cooxupé destacou para a Reuters que apesar das ideias de superávit, a cooperativa já havia vendido toda sua oferta de contratos com entregas futuras. A cooperativa de Guaxupé é a maior de café do Brasil.

Mercado interno 

Em entrevista ao Notícias Agrícolas nesta sexta-feira, Eduardo Carvalhaes, destacou que os negócios com café até acontecem em um país como o Brasil, mas as transações são lentas. O produtor brasileiro aguarda melhores patamares e acumula altos custos de produção.

Veja mais:
» Café: Preços no mercado físico do Brasil estão baixos, conta não fecha e cafeicultores seguram negócios

O café tipo cereja descascado registrou maior valor em Guaxupé (MG) com saca a R$ 481,00 e alta de 2,12%. A maior oscilação no dia ocorreu em Poços de Caldas (MG) com alta de 3,37% e saca a R$ 460,00.

O tipo 4/5 registrou maior valor de negociação em Varginha (MG) com saca cotada a R$ 435,00 e alta de 1,16%. A maior oscilação no dia foi em Poços de Caldas (MG) com alta de 3,61% e saca a R$ 430,00.

O tipo 6 duro registrou maior valor de negociação em Guaxupé (MG) com saca a R$ 431,00 e alta de 2,38%. A maior oscilação no dia foi registrada em Poços de Caldas (MG) com avanço de 3,70% e saca cotada a R$ 420,00.

Na quinta-feira (24), o Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6, bebida dura para melhor, teve a saca de 60 kg cotada a R$ 417,81 e baixa de 0,63%.

» Clique e veja as cotações completas do café

Por:
Jhonatas Simião
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário