Café: Preços no mercado físico do Brasil estão baixos, conta não fecha e cafeicultores seguram negócios

Publicado em 25/10/2019 15:51 e atualizado em 25/10/2019 16:43
1529 exibições
A Bolsa de Nova York (ICE Futures US) encerrou a sessão desta sexta-feira (25) com altas de mais de 300 pontos e com o vencimento dezembro/19 acima dos 99 cents/lbp, mas as quedas recentes pressionaram muito as cotações internas. No Brasil, produtores são afetados com baixos preços e ficam reticentes aos negócios. Enquanto isso, o negócio café no mundo só cresce.
Eduardo Carvalhaes - Analista de Mercado do Escritório Carvalhaes

Podcast

Mercado do Café - Entrevista com Eduardo Carvalhaes - Analista de Mercado do Escritório Carvalhaes

Download

LOGO nalogo

O mercado do café registrou boas altas nesta sexta-feira (25) com o contrato dezembro/19 subindo 300 pontos e fechando o pregão na Bolsa de Nova York a cima dos 99 cents por libra peso.

Apesar desse movimento de valorização, o analista de mercado do escritório Carvalhaes, Eduardo Carvalhaes, comenta que a semana foi de muita oscilação para as cotações do café. “Toda essa oscilação tem sido muito mais atrás de resultados de curto prazo especulativos na Bolsa de Nova York do que haver com o mercado físico de café”, afirma.

Neste sentido, o analista destaca que tivemos uma bonita florada dos cafezais, essencial para a boa produção do grão, e agora o mercado espera para ver quanto dessa florada vai virar fruto. “O clima está muito irregular, tivemos chuvas, mas chuvas irregulares e temperaturas altas. Então fica difícil de sabermos o que vai acontecer”, diz Carvalhaes.

Ainda de olho no mercado físico, Carvalhaes aponta que os preços seguem muito baixos para os produtores e que os negócios só acontecem porque tem que acontecer já que o produtor tem que cumprir seus compromissos semanais, mas as preocupações estão grandes devido aos baixos rendimentos da cadeia.

Segundo a análise de Eduardo Carvalhaes, esse clima de estabilidade e incerteza deve continuar até a colheita da próxima safra, uma vez que não se sabe exatamente o que vai acontecer com a safra que vem. “No início do ano já vamos ter uma idéia melhor, apesar que ainda vão faltar as chuvas de janeiro, fevereiro e março, mas quanto a qualidade da safra nova nós só vamos ter uma idéia do que ela vai ser lá para maio e junho do ano que vem quando começar a colheita”.

Confira a entrevista completa com o analista de mercado do escritório Carvalhaes no vídeo.

Por: Jhonatas Simião e Guilherme Dorigatti
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário