Café arábica encerra sessão desta 2ª com altas de 105 pontos no dezembro/19

Publicado em 28/10/2019 16:42
422 exibições

LOGO nalogo

Os futuros do café arábica encerraram a sessão desta segunda-feira (28) com altas de até 125 pontos na Bolsa de Nova York (ICE Futures US). O mercado iniciou a semana registrando quedas técnicas, mas voltou a subir no final do dia. 

O contrato com vencimento para dezembro/2019 teve alta de 105 pontos e voltou a ser negociado a 100,50 cents/lbp. Março/20 teve alta de 110 pontos e estabeleceu 103,95 cents/lbp, maio/20 registrou alta de 115 pontos, sendo negociado por 106,10 cents/lbp e julho/20 registrou a maior alta por 125 pontos e finalizou o dia por 108,20 cents/lbp.

Para o analista de mercado da Pharos Consultoria, Haroldo Bonfá, a alta moderada no mercado pode ser considerada normal e já era esperada, seguindo os cenários dos últimos dias. Segundo ele, o que chamou atenção nesta segunda foi o rompimento acima do nível de um dólar por libra-peso nos contratos com vencimentos para dezembro.

"Ele [o mercado] tem níveis de resistências e ao romper esse níveis, dispara outras compras. São robôs que atuam nesse conceito e tentou romper várias vezes e hoje conseguiu, e é um bom sinal", afirma o especialista.

Segundo Haroldo, as duas notícias de que a produção de café poderá ficar abaixo do esperado em 19/20 também impactou diretamente no mercado. As notícias falam de um déficit global de café de 4,7 milhões e de 6 milhões de sacas. "Quando a gente fala em nível mundial, 6 milhões é muito pouco, falando estatisticamente, mas psicológicamente isso pode afetar", analisa.

O especialista destaca ainda que aliada à isso houve uma pequena desvalorização do real. "Um real mais forte desencoraja as vendas de exportação pelos produtores de café do Brasil", analisa o site internacional Barchart. Apesar do peso sobre os embarques, o dólar mais baixo ante o real, em compensação, dá suporte sobre os preços externos do café.

As questões climáticas no Brasil também têm influenciado diretamente nos preços. "As preocupações da safra brasileira são otimistas quanto ao preço do café, depois que os dados da Somar Meteorologia de segunda-feira mostraram que as chuvas em Minas Gerais, a maior região produtora de café arábica do Brasil, mediam 13,9 mm na semana anterior, apenas 37% da média histórica", afirma o site internacional Barchart. 

Mercado Interno 

No mercado interno, os negócios acompanharam o externo e foram registradas leves variações. 

O café tipo cereja descascado registrou maior valor em Espírito Santo do Pinhal/SP com saca a R$ 490  e variação de 2,08%. Em Guaxupé/MG a alta foi de 0,62% e era cotado a R$ 484. Em Poços de Caldas/MG foi registrada queda de 0,65% e a saca era cotada a R$ 457 e em Varginha foi registrada queda de 4,40% e o valor estabelecido por R$ 435. 

O tipo 4/5 registrou queda em duas das principais praças do país. Em Varginha/MG a queda foi de R$ 4,60 e a saca era cotada a R$ 415,00. Já em Poços de Caldas/MG a queda foi de 0,70% sendo cotado a R$ 427,00. O maior valor de negociação foi registrado em Franca/SP com alta de 1,16% e saca cotada a R$ 435,00. 

O tipo 6 duro registrou maior valor de negociação em Guaxupé/MG por R$ 434 e alta de 0,70%. Franca/SP registrou alta de 1,19% e estabeleceu o preço por R$ 425. Média Rio Grande do Sul/RS registrou alta de 2,41% e era cotado a R$ 425. Em Varginha foi registrada queda 4,65% e o valor foi estabelecdo a R$ 410, Poços de Caldas teve queda de 0,71% e finalizou o dia por R$ 417. 

Na sexta-feira (25), o Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6, bebida dura para melhor, teve a saca de 60 kg cotada a R$ 424,23 com vairação de 1,54%. 

>> Veja mais cotações aqui

Por:
Virgínia Alves
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário