Brasil bate recorde nas exportações de café solúvel em 2019

Publicado em 11/02/2020 08:20
147 exibições

As exportações brasileiras de café solúvel bateram recorde em 2019, chegando a 91,96 mil toneladas, cerca de 4 milhões de sacas de 60 kg. Esse volume representa um aumento de 7% em relação a 2018, quando as vendas externas atingiram 85,97 mil toneladas, equivalente a 3,72 milhões de sacas.

Dos 106 países que receberam o produto brasileiro, os Estados Unidos lideram o ranking, com 17% do total. Em 2019, foram adquiridas 15,3 mil toneladas ante 14,8 mil toneladas em 2018, um aumento de 3,1%, segundo dados do Consórcio Pesquisa Café, coordenado pela Embrapa Café. O relatório foi elaborado pela Associação Brasileira da Indústria de Café Solúvel (ABICS).

Na sequência, estão Rússia, Indonésia e Japão. No entanto, quando se considera a soma das importações dos países que integram a União Europeia (UE), o bloco assume o segundo lugar, com crescimento significativo de 22,9% no ano passado.

Expansão

Outros países registraram um aumento expressivo na compra do solúvel brasileiro, o maior produtor mundial. A Indonésia – o quarto maior produtor de café do mundo – ampliou em 2,9% as importações, se tornando o terceiro maior destino das exportações brasileiras. Myanmar aumentou em 61,4% suas compras. O destaque ficou para o México – o segundo maior produtor mundial de café solúvel, perdendo apenas para o Brasil – aumentou em cerca de 315% a compra do produto nacional. 

De acordo com o relatório, a expansão nas exportações pode ser atribuída, em parte, à reconquista de alguns mercados compradores do produto brasileiro, prejudicados no atendimento às suas demandas entre 2016 e 2017. A redução verificada nesse período foi decorrente da queda acentuada na produção de café conilon (utilizado na produção do café solúvel) no Espírito Santo, em função de problemas climáticos.

Queda

O recorde verificado nas exportações físicas do solúvel, em 2019, no entanto, não refletiu no aumento de receita cambial, que registrou ligeira queda. O volume apurado de US$ 581,7 milhões representa um recuo de 3% na comparação com os US$ 599,8 milhões do ano anterior, consequência direta dos preços baixos do café registrados nos mercados internacionais, no período analisado pela Embrapa Café.

Consumo doméstico

Em relação ao consumo doméstico, conforme o relatório, houve um crescimento médio de 4,22% ao ano, nos últimos três anos, índice superior ao do café torrado. Nesse contexto, vale destacar que, em 2019, teve um crescimento de 5,6%, se comparado com 2018.

Tags:
Fonte:
Mapa

0 comentário