Café finaliza 5ª feira no positivo no mercado brasileiro: Momento é favorável para travas de preço

Publicado em 30/04/2020 21:51 410 exibições

LOGO nalogo

O mercado futuro do café encerrou o pregão desta quinta-feira (30) com valorização de alta para os principais contratos na Bolsa de Nova York (ICE Future US). As cotações iniciaram o dia sem grandes variações, mas passou a registrar valorização de mais de 100 pontos nos principais contratos no meio da tarde. 

Julho/20 encerrou com valorização de 100 pontos, valendo 106,30 cents, setembro/20 teve alta de 100 pontos, valendo 106,30 cents/lbp, dezembro/20 registrou aumento de 90 pontos, valendo 107,50 cents/lbp e março/21 teve valorização de 100 pontos, negociado por 111,30 cents/lbp.

Guilherme Morya, analista de café da Rabobank, reforça mais uma vez que o cenário é positivo para o mercado do café diante do momento atual do mercado financeiro global. Afirma ainda que comparando o mesmo período do ano passado, os valores atuais são mais positivos. Os dados apontam que desde feveiro em Nova York, o café teve aumento de 10% nas cotações. "Apesar de algumas quedas, o momento é favorável para vendas no mercado futuro e é o momento para aproveitar as travas de preço", afirma o analista. 

Segundo Morya, as preocupações com embarques - que antes geravam grande incerteza ao setor, com o cenário atual já não devem impactar de maneira tão negativa os preços. O mercado segue atento para a situação, mas também já entendeu que o Brasil está prestes a fazer uma boa colheita e que os embarques não devem ser afetados. 

A tendência agora é que o mercado continue apresentando instabilidade e por isso, sessões com quedas não estão descartadas. "O dólar teve uma valorização de 40% neste ano e o câmbio deve continuar apresentando volatilidade e isso também vale para o café", afirma. A expectativa ainda é que o consumo de café continue apresentando bons números, além da possibilidade da flexibilização em países como Europa e Estados Unidos, que podem ajudar a pressionar os preços para cima, indicando que não haverá sobra de café no mercado. 

Mercado Interno

Já no mercado interno, os valores são ainda mais positivos para o produtor. De acordo com o analista, após enfrentaro o ano de 2019 em queda e com preços abaixo do necessário, os valores em reais também tiveram uma valorização expressiva no primeiro trimestre do ano, com 30% de alta nas principais praças produtoras do país. Os dados são contabilizados com base nos preços do Cepea. 

"A questão da demanda ela influenciou em um curto prazo, porque a gente zerou o consumo fora do lar e a gente percebeu uma movimentação dos consumidores indo pro mercado e comprando café", afirma. As análises, segundo Morya, é com base no aumento do consumo tanto no Brasil, quanto na Europa e nos Estados Unidos. "A gente viu que essa demanda no curto prazo acelerou o consumo, mas também acelerou o movimento de alguns importadores", destaca.

Nesta quinta-feira (30) as principais praças produtoras do país encerraram o dia com movimentações positivas

O tipo 6 duro teve alta de 1,75%, sendo negociado por R$ 580,00. Poços de Caldas/MG teve valorização de 0,86%, negociado por R$ 585,00. Patrocínio/MG teve alta de 1,75%, valendo R$ 580,00. Araguarí/MG e Varginha/MG mantiveram a estabilidade, valendo R$ 570,00.

O tipo cereja descascado teve alta de 0,81%, valendo R$ 620,00. Poços de Caldas/MG registrou aumento de 0,75%, negociado por R$ 675,00. Patrocínio/MG encerrou com valorização de 1,61% e valendo R$ 630,00. Varginha/MG manteve os valores de R$ 600,00. 

O tipo 4/5 teve alta de 0,85%, valendo R$ 595,00. Franca/SP registrou valorização de 1,72%, negociado por R$ 590,00. Varginha/MG manteve a estabilidade por R$ 580,00. 

Tags:
Por:
Virgínia Alves
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário