De 20 sacas para 114 por ha: Produtor de café do MT bate recorde de produtividade após boas práticas e tecnologia adequada

Publicado em 20/05/2020 15:50 e atualizado em 20/05/2020 16:41 1648 exibições

LOGO nalogo

Produtores de café de dois municípios do Mato Grosso se surpreenderam com os bons resultados da produtividade da safra de café deste ano. De acordo com informações da Secretaria de Agricultura Familiar do Estado do Mato Grosso, a produtividade bateu recorde nos municípios de Colniza e Nova Santa Helena. 

Segundo George Lima, superintendente de Agricultura Familiar, os números acalçados por um produtor de Conilza/MT ultrapassou a média esperada pelo Programa de Agricultura Familiar (Programa Mato Grosso Produtivo Café) - que era de cerca de 70 sacas por hectare e também da média levantada pela Conab, que era de 14,41 sacas por hectare - com base na produção da safra passada. "O produtor atingiu a produtividade de 114,28 sacas por hectare e ficou muito acima do que era esperado para a região", afirma George. 

Segundo os dados divulgados, para o número ser tão positiva foi utilizada tecnologia para produção com a análise de solo, correção e adubação de plantio, adubação de cobertura, podas, irrigação, monitoramento e controle de pragas e doenças com o objetivo de obter boa produtividade e altos rendimentos econômicos. Os dados mostram ainda que na safra anterior o mesmo produtor produziu em média 20 sacas de 60 quilos por hectare. 

A colheita da nova safra já está avançada em todo o estado. Segundo George, de toda a produção 50% é colhido em maio, uma parte entre abril e junho e as variedades mais tardias, que é em torno de 5%, são colhidas apenas em julho. O estado começa avançar na expansão de cultivo de café e lavouras de outras cidades também já começam a apresentar bons resultados. 

Lima destaca que em Nova Santa Helena o ano de 2020 também está sendo marcado pela boa produção e resultados do programa de incentivo à cafeicultura. Em parceria, os agricultores plantaram numa área de dois hectares, e já na segunda colheita atingiram a marca de 45 sacas de café por hectare. "Esse crescimento que a gente está tendo na cafeicultura do Mato Grosso, se deve à introdução do café clonal que iniciou de forma mais firme a partir de 2016 e também um programa que temos de capacitação continuada de técnicos da cadeia do café", comenta George. 

A capacitação é feita em parceira com a Embrapa Rondônia e com a Empaer, também tem como foco uma visita técnica ao produtor, tendo três pontos como foco: irrigação, adubação e poda adequadas. A ideia, segundo Lima, é que o estado continue os trabalhos de expansão da cafeicultura com objetivo de aumentar a produção de café em todo o Mato Grosso. 

Segundo Lima, atualmente o estado faz o cultivo de Conilon e Canéfora e a ideia é implantar ainda esse ano um projeto de pesquisas para validar clones de café Canéfora para o Mato Grosso. "Ao contrário dos outros estados, como Rondônia, Mato Grosso ainda não tem cultivares para todo o estado, apesar das cultivares que a gente utiliza terem desempenhos muito bons", afirma.

 

Tags:
Por:
Virgínia Alves
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário