Nos EUA: Consumidores e agricultores da Starbucks agora podem rastrear café

Publicado em 27/08/2020 12:18 147 exibições

 

Desde terça-feira (25) os clientes que comprarem café em lojas Starbucks nos Estados Unidos poderão usar um código nas sacolas para descobrir de onde seus grãos vieram, de onde foram torrados e até mesmo obter dicas de preparação de baristas, disse Michelle Burns, sênior da empresa vice-presidente global de café, chá e cacau. Um código reverso será dado aos agricultores para que eles possam finalmente rastrear sua produção.

A nova ferramenta, desenvolvida pela Microsoft, usa tecnologia blockchain e permitirá que a Starbucks compartilhe com seus clientes os dados de rastreabilidade que a maior rede de cafeterias do mundo vem coletando há mais de uma década. Isso também ajudará a empresa a atrair jovens consumidores com mentalidade sustentável, muitos dos quais têm migrado para pequenas lojas de artesanato onde o café é torrado nos fundos da loja.

“Pudemos rastrear cada café que compramos em todas as fazendas por quase duas décadas”, disse Burns em uma entrevista antes do lançamento. “Isso nos permitiu ter a base para construir uma ferramenta amigável e voltada para o consumidor que certamente fornece aos nossos clientes a confiança de que sabemos de onde vem todo o nosso café.”

Os consumidores milenares estão cada vez mais interessados ​​em saber de onde vêm seus alimentos, como foram cultivados e se foram produzidos de forma sustentável e ética. Isso está forçando algumas das maiores empresas de alimentos e comerciantes de commodities agrícolas do mundo a serem mais transparentes sobre suas cadeias de abastecimento. E para isso, eles estão se voltando para a tecnologia.

Iniciativa Blockchain

No ano passado, alguns torrefadores de café, incluindo JM Smucker Co. e Jacobs Douwe Egberts, aderiram a uma iniciativa de blockchain, desenvolvida em parceria com a International Business Machines Corp. Farmer Connect, uma startup apoiada pela trader de café suíça Sucafina SA , está ajudando as empresas a rastrear a origem do os grãos que compram e vendem, bem como os preços ao longo da cadeia de abastecimento.

Rastrear o café até o nível do fazendeiro tem seus próprios desafios. Cafés de várias fazendas podem se misturar ao longo da cadeia de abastecimento. Para a Starbucks, isso significa que algumas sacolas, como as que contêm misturas, serão rastreadas até o nível do país. Outros serão rastreados até a região onde o feijão foi cultivado, a comunidade que entregava em uma determinada estação de lavagem, ou mesmo até o próprio agricultor, no caso de embalagens de origem única.

“Vamos o mais fundo que podemos”, disse ela, acrescentando que a Starbucks é capaz de rastrear até os grãos que compra dos comerciantes, pois eles exigem recibos para cada transação.

Os agricultores também terão acesso à ferramenta. E eles não precisam de um smartphone ou câmera para isso. O site de rastreabilidade pode ser acessado de qualquer laptop ou desktop e o código também pode ser inserido manualmente. Isso permitirá que os produtores entendam para onde vão seus grãos, se eles possuem uma fazenda sofisticada no maior produtor do Brasil ou se são pequenos proprietários em países africanos como a Etiópia ou Ruanda.

“O que eles nos disseram é que não sabiam para onde foi seu café, para que mistura ele foi”, disse Burns.

A ferramenta ainda não está disponível para sacolas Starbucks compradas fora das lojas ou em um nível por xícara. Quando questionado se a operadora da rede de café tinha planos de expandir isso, Burns disse: “Estamos apenas começando”.

Tags:
Fonte:
Bloomberg

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário