"A produção de carnes faz parte de um produto muito maior, que é o Brasil", diz presidente da ABPA no GAF Talks

Publicado em 29/03/2017 15:11 2253 exibições
Em defesa da carne brasileira, Francisco Turra se emocionou durante fala no evento, que está sendo realizado nesta quarta-feira (29) em São Paulo.

Nesta quarta-feira (29), durante o GAF Talks, que está sendo realizado em São Paulo, o presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal e ex-ministro da Agricultura, Francisco Turra, falou a respeito da operação Carne Fraca, destacando como um caso isolado pode manchar a imagem do país perante aos mercados internacionais.

Em sua fala, Turra destacou que há uma guerra da informação que gerou efeitos controversos em relação ao verdadeiro foco da operação. Ele citou o caso das empresas grandes, como BRF e JBS, que tiveram um problema em apenas uma unidade e, logo, "confundiu-se um nome construído com uma planta".

Alguns mercados, como a China e a Coreia da Sul, reabriram suas portas. Para o presidente, agora a situação é outra: o Brasil precisa saber como reabrir esses mercados efetivamente. "Abriu pra valer e para voltar ao passado ou abriu por uma gentileza, para que a gente recomece tudo de novo?", questionou Turra, destacando que a desconfiança gerada em torno da carne brasileira precisará de um trabalho de reaproximação dos destinos.

Ele apontou também que o trabalho realizado por décadas por algumas marcas não deve ser jogado no lixo, ressaltando a importância de "valorizar quem empreende". Com isso, Turra salienta que a produção de carnes faz parte de um produto muito maior, que é o Brasil. "Não vi um frigorífico chamado Brasil. Não vi um açougue chamado Brasil. E saiu nos jornais que o Brasil vende carne podre", disse, apontando que houve uma generalização em torno dos produtos do país.

Em defesa da carne, Turra se emociona

"O que adianta a gente comemorar uma grande safra se, de repente, uma leviandade, uma irresponsabilidade nos joga na lata do lixo?", reflete, pedindo também o apoio da imprensa que acompanha sua fala para compreender o país enquanto uma grande reserva na produção mundial.

Emocionado, Turra diz que a missão agora é "recuperar, chegar e correr atrás". Com isso, os representantes, como ele e o vice-presidente da ABPA, Ricardo Santin, irão realizar viagens para ressaltar a qualidade da carne brasileira. "Em nome do emprego, da nossa dignidade e em nome desse milagre que se chama Brasil", concluiu.

O GAF Talks, organizado pelo Global Agribusiness Forum, está sendo realizado no WTC - Sheraton Hotel, em São Paulo. Você pode acompanhar a transmissão ao vivo do evento aqui no Notícias Agrícolas.

Por:
Izadora Pimenta
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

1 comentário

  • Rodrigo Polo Pires Balneário Camboriú - SC

    A prova de que picaretas engravatados vivem e mantêm privilégios roubando a comida dos pobres está aqui: http://www.infomoney.com.br/minhas-financas/consumo/noticia/6284404/alckmin-volta-cobrar-imposto-sobre-carnes-preco-deve-subir-ate

    0
    • JOSÉ DONIZETI PITOLI CORNÉLIO PROCÓPIO - PR

      Senhor Francisco Turra. Da forma como se coloca à todos, não condiz com a representação que tem, pois representa a o Brasil, como presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal, pois não tenha dúvida que o Brasil é muito mais do que o escândalo da operação carne fraca, revelada pela polícia federal. No entanto havemos de convir, que se existe os corruptos (alguns fiscais sanitários), existe também os corruptores (algumas desta empresas), e ninguém que esteja produzindo de forma lícita, corrompe/paga propina, dê-se o nome que quiser, para agradar. Se houve corrupção, é porque houve motivos, fatos, que beneficiaram em muito estas empresas. Tenho comigo, que a polícia federal agiu corretamente, excessos talvez, fazem parte da mídia moderna, afinal, notícia ruim, todo lê, vê, ouve. O tempo é o senhor da razão. Quem viver, verá?

      0