Geadas atingem, pelo segundo dia consecutivo, agricultura do PR, MS e SP

Publicado em 25/07/2013 08:43 e atualizado em 25/07/2013 14:58
2280 exibições
Centro-Sul continua sofrendo com onda de frio intenso; agricultura é afetada

A frente fria, que provocou chuvas entre São Paulo, Paraná e Mato Grosso do Sul, se afastou para o Oceano e leva umidade apenas para o litoral do Sudeste. Por isso, com o tempo mais seco e aberto nos três Estados, a quinta-feira começou com formação de geadas em várias localidades e muitas lavouras amanheceram cobertas por uma fina camada de gelo. Em Rio Brilhante-MS a mínima foi de -0,2°C e em Dourados-MS os termômetros ficaram em 2°C. 

O oeste paranaense e o sul do Mato Grosso do Sul foram as áreas mais afetadas pelas geadas. Lavouras de milho, café, trigo e cana-de-açúcar tiveram perdas por causa do fenômeno. Hoje também ocorreu formação de geadas no sul de São Paulo, na região de Rancharia-SP, Presidente Prudente-SP e Avaré-SP. “A intensidade dessa geada foi menor, se comparada com ontem, mas como a planta já vinha de um estresse térmico muito grande, as perdas só se agravaram”, afirma o agrometeorologista da Somar, Marco Antonio dos Santos. 

Leia a notícia na íntegra no site do Jornal do Tempo.

No Cepea: Coordenador científico do Cepea analisa efeitos do frio no PR

Nestes dias, a onda de frio – inclusive neve e geadas – vem castigando a agricultura no Sul do País, com impactos negativos especialmente no Paraná. Há um efeito, ainda não avaliado, sobre a cultura do trigo em que a geada pode afetar seriamente a produção, principalmente naqueles cultivos que estão nas fases de floração e frutificação. Com isso, o abastecimento do mercado interno fica ainda mais pressionado tendo em vista as dificuldades nas importações de trigo da Argentina, cuja produção pode ter caído perto de 30%, motivando medidas do governo daquele país para conter as exportações. Há o risco de continuidade de pressão inflacionária tendo em vista os baixos estoques de trigo atualmente. O preço do pão vem em alta ao longo de todo este ano. A cultura do trigo é responsável por cerca de 6% do faturamento agrícola do Paraná, que já está sofrendo danos em sua lavoura de milho, cuja qualidade vem sendo comprometida pelo excesso de umidade, observada em junho principalmente. O milho, que representa mais de 20% do valor da produção agrícola do Paraná, deverá, de qualquer forma, manter sua produção recorde apesar do clima. Texto: Geraldo Sant’Ana de Camargo Barros, professor titular da Esalq/USP e coordenador científico do Cepea.

No Estadão: Geadas destroem plantações de hortaliças no Sul do Brasil

O frio intenso trouxe prejuízos para a agricultura em dezenas de municípios catarinenses. A forte geada na manhã de ontem dizimou 70% da produção agrícola do município de Angelina, a cerca de 70 quilômetros de Florianópolis.

Plantações de repolho, couve-flor, brócolis, alface, beterraba, fumo e morango, entre outras hortaliças, que representam 80% da economia da cidade de 5,7 mil habitantes, foram completamente destruídas.

Leia a notícia na íntegra no site do Estadão.

Paraná

Geada negra devasta lavouras de café em Mandaguari, no norte do PR

As lavouras de café de Mandaguari, no norte do Paraná, foram devastadas pela geada negra que atingiu o município na madrugada desta quinta-feira (25), segundo a cooperativa Cocari. A estimativa é de que quase metade da safra, que seria colhida em 2014, foi destruída pelo fenômeno climático.

“Dá pra sentir o odor de folhas queimadas nas propriedades. O café estava com uma produção muito alta neste ano e, por ter muita demanda, os pés estavam com poucas reservas nutritivas, o que os deixou frágeis”, explica o engenheiro agrônomo da cooperativa mandaguariense, Roberval Simões Rodrigues.

Confira a notícia na íntegra no site do G1 PR - Norte e Nordeste

Na Gazeta do Povo: Geada fere verduras, café e grãos

Depois da neve da madrugada de terça-feira (23), veio a geada mais forte dos últimos 13 anos e novas perdas à agricultura paranaense. O gelo que apareceu em todo o estado no amanhecer de ontem afetou pastos, áreas de hortaliças, cafezais e lavouras de milho, trigo, cevada, aveia e azevém, apurou a reportagem da Gazeta do Povo, com apoio de sucursais no interior.

O alerta para ocorrência do fenômeno continua até o final desta semana, avisam os meteorologistas, o que tende a agravar os prejuízos. A geada de ontem foi considerada de moderada a forte em todo o estado. Na Região Metropolitana de Curitiba, onde está o principal cinturão de produção de verduras que abastece a capital e o estado, houve casos de perdas totais, informam técnicos que monitoram o setor.

Confira a notícia na íntegra no site da Gazeta do Povo

Notícias Agrícolas: Trigo - Lavouras do PR são severamente afetadas pelas geadas

Por Fernanda Custódio

Pelo segundo dia consecutivo, as geadas atingiram importantes regiões produtoras de Santa Catarina, Paraná, Mato Grosso do Sul e São Paulo. Na parte do Oeste do PR, um dos estados mais afetados pelo evento climático, as perdas nas lavouras de trigo podem chegar a 100%, já que grande parte das plantações estava em fase de floração e frutificação.

O engenheiro agrônomo do Deral (Departamento de Economia Rural), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado do PR, Carlos Hugo Godinho, afirma que cerca de 52% das áreas cultivadas que estavam mais suscetíveis a problemas climáticos foram afetadas. Um novo levantamento deverá ser divulgado em meados de agosto.

“Para saber quais os impactos das geadas nas lavouras do cereal demora mais ou menos uma semana. Mas temos geadas previstas até o próximo sábado (27), mas os eventos devem ser de menor intensidade”, afirma o engenheiro agrônomo.

Na região de Manoel Ribas e Ivaiporã (PR), cerca de 80% a 90% do trigo está em fase de floração e frutificação e na maioria das lavouras a perda será de 100% devido às baixas temperaturas, conforme relato do produtor rural, Márcio Aldir Graf deixado no Fala Produtor, espaço destinado à interação dos agricultores no site Notícias Agrícolas. Ainda na visão do agricultor, apenas as lavouras semeadas a partir de junho poderão ser menos impactadas pelas geadas, mas a safra não deverá ser cheia nestas regiões.

No G1 PR: Paraná amanhece com temperaturas negativas em vários municípios

A massa de ar polar que facilitou a incidência de neve e de geada nos últimos dias no Paraná continua predominando no estado e a quinta-feira (24) também amanheceu gelada e com temperaturas negativas em várias regiões. De acordo com a Somar Meteorologia, a menor temperatura registrada foi em Inácio Martins, na região central, onde os termômetros registraram 2,3ºC negativos. A internauta Marcia Regina Zaupa Uhdre registrou geada no distrito de São Jorge do Ivaí, no norte. "Valeu a pena levantar cedo, e registrar uma bela e singela forma da natureza demonstrar sua beleza. É simplesmente gratificante", disse ao G1.

"As temperaturas ainda permanecem baixas no estado porque o ar começou a ficar seco. No início da semana, o ar polar estava misturado com muita umidade e agora conforme ele vai secando, vai trazendo geada e maior amplitude térmica, ou seja, o solo começa a perder radiação e vai se resfriando cada vez mais", explica a meteorologista Patrícia Vieira. Ela reiterou que a condição é comum no inverno brasileiro.

Leia a notícia na íntegra no site do G1 PR.

Rio Grande do Sul

No G1 RS: Porto Alegre registra temperatura mais baixa do ano nesta quinta-feira

Porto Alegre teve, nesta quinta-feira (25), a madrugada e a manhã mais frias do ano. Às 4h, o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) registrava 1,6°C na capital gaúcha, temperatura que caiu na medição das 6h para 1,4°C. Nos últimos dias, a cidade registrou 3°C na quarta (24) e, na terça (23), fez 4,4°C.

A sensação de frio só não é maior porque a velocidade do vento é baixa em Porto Alegre, de 0,1 m/s (metros por segundo), de acordo com o Inmet. Entre a madrugada e o amanhecer, a capital também registrou formação de geada. Carros e vegetações foram cobertas por uma fina camada de gelo.

Leia a notícia na íntegra no site do G1 RS.

No Zero Hora: RS registra temperaturas negativas, geada e mínima mais baixa do ano na Capital

Pelo segundo dia seguido a Capital tem a temperatura mais baixa do ano. O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) registrou 1,4°C no amanhecer desta quinta-feria em Porto Alegre. Desde 9 de junho do ano passado, quando os termômetros registraram 1,1°C, os porto-alegrenses não sentiam tanto frio. 

Os carros amanheceram com uma fina camada de gelo, em função da geada que se forma no chão. A máxima para a Capital, segundo Luana Souza, técnica de meteorologia da Somar Meteorologia, não deve ultrapassar os 15°C ao longo da tarde.

Leia a notícia na íntegra no site do Zero Hora.

Santa Catarina

Notícias do Dia: Geada prejudica plantio de hortaliças e produção de leite na Grande Florianópolis

Ainda surpreso com a nevasca do dia anterior, Lindolfo Legger, 64, acordou mais cedo, bem antes do amanhecer. Como o sol demora em clarear aquela encosta do morro Kirchner, na Fazenda Sacramento Segunda, em Águas Mornas, a primeira tarefa dele foi tentar dar uma mãozinha à natureza para dissipar mais depressa a grossa camada de geada acumulada sobre a plantação de couve-flor.

Enquanto a água para o café ferveu no fogão a lenha, improvisou fumegadores no meio da roça. Três montinhos de serragem com braseiros acesos nas bases foram deixados em cantos estratégicos, e o vento sudoeste se encarregou de circular a fumaça sobre as mudas em fase de crescimento. “Aqui bate pouco sol, e é uma forma de esquentar o ar para derreter a geada. Mas acho que já morreu tudo”, resigna-se.

Veja a notícia na íntegra no site do Notícias do Dia

SC: Geada destrói plantações em Angelina

A temida geada negra não ocorreu, mas estima-se que pelo menos 70% dos agricultores de Angelina tenham tido perdas com a geada. No vídeo, os estragos na plantação de 5 hectares de José Lino Pfleger, agricultor de 56 anos.

Clique aqui e confira o vídeo feito nas lavouras de Angelina

G1 SC: Quinta-feira amanhece com geada em boa parte de Santa Catarina

A quinta-feira (25) amanheceu gelada em Santa Catarina, com temperaturas próximas a 0°C, negativas nas áreas altas e com geada em boa parte do estado, segundo a Epagri/Ciram. Apesar do frio, menos cidades registram temperaturas negativas. Na Serra, Bom Jardim registrou -1ºC. As menores temperaturas foram registradas em Canoinhas e Lebon Régis: -3ºC.

De acordo com a Epagri/Ciram, no decorrer do dia, o sol predomina em todas as regiões. As temperaturas devem ter pequena elevação no período da tarde. À noite, há chance de chuviscos entre a Grande Florianópolis e o Litoral Norte.

Leia a notícia na íntegra no site do G1 SC.

São Paulo

No G1 SP: Geada causa prejuízo para produtores rurais em Cândido Mota

Quem teve que acordar cedo para trabalhar nesta quarta-feira (24),encarou um frio forte antes mesmo dos primeiros raios solares em Assis (SP). Às 6 horas, os termômetros chegaram a marcar dois graus.  Mas o frio mais intenso foi na zona rural. Em Cândido Mota (SP), onde os termômetros chegaram a marcar 0,9 ºC no início da manhã, a geada causou prejuízos aos produtores rurais.

Na chácara em que o caseiro Arnaldo Ambrósio cuida dos animais, uma fogueira foi feita para tentar afastar a geada que atingiu a região. Lonas que protegiam os fenos dos cavalos ficaram cobertas de gelo. A grama especial para os animais também foi atingida e ficou queimada pelo frio, o que prejudica a alimentação dos bichos.

Leia a notícia na íntegra no site do G1 Bauru e Marília.

No Notícias Agrícolas: Geadas e frio intensam prejudicam lavouras de trigo no estado de SP

Por Izadora Pimenta

Na madrugada desta quarta-feira (24), geadas de média intensidade atingiram a região de Sorocaba (SP), prejudicando cerca de 34 mil hectares de trigo, dos quais 80% se encontravam em fase sensível. 

Ainda não há uma estimativa sobre as perdas, de acordo com o engenheiro agrônomo Vandir Daniel da Silva, técnico da Secretaria de Agricultura e Abastecimento, mas os efeitos devem aparecer nos próximos dias.

A região de Sorocaba responde por 75% da produção paulista de trigo. A produção prevista pelo Instituto de Economia Agrícola (IEA) para esta safra era de 147,8 mil toneladas de trigo, um número 38,3% maior do que a safra anterior.

Na região, as geadas também prejudicaram as mudas de tomate em Ribeirão Branco, responsável por 50% da produção do fruto no estado, onde as plantas estavam protegidas por estufas, mas as mudas que estavam nas bordas foram danificadas. 

Em Fartura, as lavouras de café foram atingidas, mas não sofreram grandes perdas. Somente os terrenos baixos foram os mais afetados.

Na Folha: São Paulo tem sensação térmica de 4ºC durante a madrugada

Os termômetros em São Paulo marcaram 7ºC na madrugada desta quinta-feira, mas a sensação térmica foi de 4ºC em alguns bairros. A informação é do CGE (Centro de Gerenciamento de Emergência).

Segundo o CGE, imagens do radar indicam chuva leve com alguns pontos moderados na cidade, especialmente nas zonas norte, oeste, centro e leste.

Leia a notícia na íntegra no site da Folha de S. Paulo.

Mato Grosso do Sul

Embrapa Agropecuária Oeste: Dourados registra madrugada mais fria dos últimos treze anos

A madrugada de quarta-feira, 24 de julho, registrou temperatura negativa de -0,7°C em Dourados, na Estação Agrometeorológica da Embrapa Agropecuária Oeste. De acordo com os dados do Guia Clima MS, esse foi o dia mais frio do ano e dos últimos 13 anos, ocasião em que foi registrada temperatura negativa de -1,9°C, no dia 17 de julho de 2000. Além de Dourados, também foram registradas temperaturas negativas em outras cidades de Mato Grosso do Sul, tais como: Amambai (-1,6°C), Bela Vista (-0,8°C) e Rio Brilhante (-0,7°C).

Os dados obtidos pelo Guia Clima MS, que pode ser acessado através do endereço eletrônico http://www.cpao.embrapa.br/clima/, revelam ainda que antes da chegada dessa massa de ar polar o dia mais frio anteriormente registrado em 2013, foi em 31 de maio, com 6,6°C. "Desde a chegada da massa de ar polar as temperaturas vêm caindo, tendo sido registrado 5,6°C, na segunda-feira e 1,4°C na terça-feira, 23 de julho", explica o pesquisador da Embrapa Agropecuária Oeste, Carlos Ricardo Fietz.

Segundo ele, apesar da queda das temperaturas e da geada que ocorreu em algumas regiões da grande Dourados e cidades do Sul do Estado não deve prejudicar os produtores de milho que seguiram as recomendações do zoneamento agrícola e plantaram até 10 de março.

Cana-de-açúcar - Nesta época do ano, existem canaviais em diversos estágios de desenvolvimento e o impacto da geada nas mesmas depende do estágio em que se encontram. O pesquisador da Embrapa Agropecuária Oeste, José Rubens Almeida Leme Filho explica que a geada dessa madrugada pode comprometer a gema apical de uma cana de porte alto, prejudicando a qualidade industrial das canas que serão colhidas mais de dois meses após a geada. "No caso de lavouras em estágio inicial, que contam apenas com folhas pois ainda não se iniciou o crescimento dos colmos, a situação é mais tranquila, pois apesar de comprometer essa folhagem inicial acontece a rebrota da mesma, visto que a gema apical da cana, nessa fase inicial do cultivo, está protegida sob a superfície do solo", explica José Rubens.

Tags:
Fonte: Jornal do Tempo/G1/Estadão/Folha

1 comentário

  • Lindalvo José Teixeira Marialva - PR

    Dia 23 e 24 vão entrar para história da Fruticultura de Marialva - Noroeste do Paraná, os prejuízos passam de 10 milhões de reais, 95% das parreira podadas foram destruídas pelas geadas. Esses foram os prejuízos diretos e daqui a 120 dias vamos sentir os prejuízos indiretos, acumulo de produção, pois vamos ter repoda em todas essas parreira e aí teremos oferta concentrada de produto e consequentemente preços baixos. Aviso para São Miguel e Pilar -SP, atrasem a poda porque janeiro vai ser um mês de grande oferta de uva.

    0