Tempo: Sul do Brasil permanece sem chuvas significativas até a segunda quinzena de março; instabilidades seguem no Centro-Norte

Publicado em 09/03/2018 10:42 2755 exibições

LOGO nalogo

A região Sul do Brasil, que enfrenta condições climáticas adversas nos últimos dias, deve permanecer sem chuvas pelo menos até a segunda quinzena do mês de março, segundo mostra a mais nova atualização do modelo Cosmo do Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia). Enquanto isso, as precipitações seguem pelo Centro-Norte do país.

Veja o mapa com a previsão de precipitação acumulada para até 174 horas (10/03 a 16/03) para todo o Brasil:

Mapa com a previsão de precipitação acumulada para até 174 horas (10/03 a 16/03) para todo o Brasil - Fonte: Inmet
Fonte: Inmet

De acordo com os mapas, as instabilidades devem voltar para a região, com mais força, a partir do dia 15. Os acumulados diários podem atingir os 50 milímetros em áreas do Rio Grande do Sul, principalmente, estado que tem enfrentado tempo seco nos últimos dias.

Até a segunda quinzena do mês, de acordo com Morgana Almeida, chefe do Centro de Análise e Previsão do Tempo do Inmet, as chuvas no país devem ainda ficar bastante concentradas na faixa Centro-Norte brasileira. No Sul, apenas o Paraná recebeu pancadas recentemente.

Veja mais:
» Invernada no Centro-Norte do país com volumes significativos de chuvas até o início da próxima semana

A região Sul do Brasil caminha para o período final de desenvolvimento das lavouras, já que costuma colher a safra de grãos mais tarde do que no restante do país. Sem chuvas, neste momento, o enchimento dos grãos pode ser prejudicado.

"No Rio Grande do Sul, chuvas são necessárias com a maioria da safra encaminhando para períodos de reprodução final. A parte sul do estado vivencia um cenário de seca acentuada, semelhante a algumas regiões da Argentina", disse em relatório a AgResource Mercosul.

A Climatempo destaca que as chuvas pelo Centro-Norte do país devem continuar ao longo do mês de março, ainda que sejam irregulares em algumas áreas.

"Este padrão meteorológico está diretamente associado ao enfraquecimento da “La Niña” e, consequentemente, ao aquecimento das águas do Pacífico, que irão provocar chuvas bastante volumosas na região Sul e nas áreas produtoras da Argentina, principalmente na segunda quinzena de março", informa a empresa meteorológica.

Veja o mapa de precipitação acumulada nos últimos dez dias em todo o Brasil:

Mapa de precipitação acumulada nos últimos dez dias em todo o Brasil - Fonte: Inmet
Fonte: Inmet

Argentina

As chuvas na Argentina também seguem escassas. De acordo com a Perspectiva Agroclimática da Bolsa de Cereais de Buenos Aires, entre esta sexta-feira (9) e a próxima quarta-feira uma frente fria chegará com pouca atividade, que provocará chuvas significativas sobre o norte e o sudoeste da área agrícola, enquanto o resto de sua extensão registrará chuvas escassas.

"O centro e o sul da Mesopotâmia, a maior parte da região dos Pampas, a maior parte de Cuyo, o sul do Noroeste Argentino, o oeste do Paraguai e o Uruguai registrarão chuvas escassas (menos de 10mm), com alguns focos em valores moderados", informa a entendida.

Leia mais:
» Argentina: região afetada pela seca não deve receber chuvas significativas até a próxima semana

» Clique e veja mais informações na página de Clima e acompanhe cinco satélites em tempo real

Por:
Jhonatas Simião
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário