NOAA confirma retorno do La Niña ainda este ano; pico deve acontecer entre novembro e janeiro

Publicado em 10/09/2020 11:42 e atualizado em 11/09/2020 10:59 25565 exibições

LOGO nalogo

Na manhã desta quinta-feira (10) a Administração Nacional de Oceanos e Atmosfera dos Estados Unidos anunciou oficialmente as condições de La Niña para 2020. Segundo o NOAA, a condição de La Niña deve permanecer até o Verão no hemisfério sul. Ainda de acordo com a publicação do NOAA, o pico do La Niña deve acontecer entre os meses de novembro e janeiro. "Em resumo, as condições La Niña estão presentes e provavelmente continuarão durante o inverno do hemisfério norte", comentou o NOAA. 

La Niña NOAA - 1009
Fonte: NOAA 

De acordo com a MetSul, uma das consequências globais mais imediatas é uma temporada de furacões muito mais ativa que o normal no Atlântico Norte. Já no Brasil, historicamente, o fenômeno traz menos chuva na primavera, verão e outono no Sul do Brasil e um aumento das precipitações na Região Nordeste. 

>>> Forte onda de calor aumenta as temperaturas: Centro-Oeste pode bater 42ºC nesta quinta

Com a confirmação do fenômeno, a tendência é de uma diminuição nos volumes a partir de Novembro em toda a região Sul do Brasil. As projeções indicam precipitação irregular e abaixo da média na maior parte do Centro-Sul do Brasil agora no trimestre da Primavera e risco de estiagem no Verão no Rio Grande do Sul, principalmente no Oeste e no Sul do Estado.

Em entrevista ao Notícias Agrícolas, na última terça-feira (8), a meteorologista Estael Sias, da Metsul, destacou que para as demais áreas do país, a chegada da estação chuvosa pode atrasar, sobretudo no Centro-Oeste,  já levantando um alerta para dificuldades para o plantio da safra de Verão. 

La Niña: Impactos nos mercados e produção agrícola - Bloomberg

O sistema climático La Niña pode impactar a produção global de alimentos, elevando os preços, à medida que secas e inundações em potencial trazem transtornos a um conjunto de commodities agrícolas importantes do Sudeste Asiático à América do Sul.

Durante esse período, a turbulência na produção de commodities levou a um aumento acentuado nos preços mundiais dos alimentos, com o Índice Mundial de Preços de Alimentos e Agricultura das Nações Unidas atingindo um recorde em fevereiro de 2011, 37% acima do final de 2009.

La Niña normalmente afeta uma ampla gama de commodities agrícolas, pois traz chuvas de inverno-primavera acima da média na Austrália, especialmente nas regiões leste, central e norte, bem como no sudeste da Ásia, com potencial de inundações.

Também pode secar o sul dos EUA durante o inverno, trazendo temperaturas mais amenas e tempestades ao norte. Na América do Sul, as áreas agrícolas da Argentina podem se tornar mais áridas, com possibilidade de secas em partes do Brasil.

“O fenômeno climático interrompe a produção de uma ampla gama de produtos agrícolas, como soja, milho, colza, açúcar, café e borracha”, disse Alvin Tai da Bloomberg Intelligence.

Trigo

O La Niña 2010-11 trouxe o período de dois anos mais chuvoso já registrado na Austrália, de acordo com o Bureau de Meteorologia do país , e com ele uma forte safra de trigo de inverno de 2011-12. Nesta temporada, a safra pode subir 78% com relação ao ano anterior, para 27 milhões de toneladas, disse o USDA FAS em julho .

“Uma primavera úmida apoiará o desenvolvimento de pastagens e enchimento de grãos para a safra de inverno”, disse o Rabobank em seu relatório de agronegócio de setembro. “No entanto, se as condições de chuva continuarem na colheita, isso pode reduzir a qualidade da colheita.”

Para mais informações sobre como as condições meteorológicas de La Niña perturbam os mercados, clique aqui

É improvável que um La Niña no final da temporada tenha qualquer impacto na atual safra de inverno na Austrália, disse o analista Abares em suas previsões para junho. A colheita de grãos do país, incluindo trigo e cevada, deve começar dentro de algumas semanas.

La Niña também pode agravar um surto de seca na Argentina, colocando em risco o que deveria ser uma safra recorde de trigo em um dos maiores exportadores do mundo.

Soja

Os produtores de soja nos Estados Unidos podem escapar dos danos, com as colheitas normalmente concluídas em novembro. A soja brasileira pode correr mais risco “se a seca e as altas temperaturas enfraquecerem as condições para o plantio, que se estende de meados de agosto a meados de dezembro”, disse Tai.

EUA, Brasil e Argentina respondem por cerca de 80% da produção de soja e safras menores podem elevar os preços, segundo Tai. Na temporada 2011-2012, a produção de soja do Brasil diminuiu 12%.

Chuvas adicionais no sudeste da Ásia podem impulsionar a produção de óleo de palma, enquanto a indústria também pode se beneficiar da menor produção de óleo de soja rival, disse Tai.

Já choveu mais no Sudeste Asiático, principalmente em Sabah e Kalimantan, desde junho, disse Ling Ah Hong, diretor do consultor de plantações Ganling Sdn. O impacto de La Nina na colheita de palma dependeria de quão forte ela é, disse Ling.

“Um La Niña fraco a moderado geralmente é benéfico para a produção de palma no ano seguinte”, disse ele. “No entanto, as fortes chuvas, se houver, podem causar interrupção imediata de curto prazo na colheita e na qualidade da colheita.”

Café

Os eventos La Niña e El Niño podem levar a diferenças acentuadas nos preços do café. Durante o último grande La Niña, os preços do arábica subiram até 127% entre 2010 e 2012, enquanto o robusta subiu até 105%.

O Arábica é cultivado principalmente no Brasil, que pode ser atingido pela seca durante o La Niña, enquanto o prêmio diminui durante os anos do El Niño, à medida que as safras de robusta no Vietnã e na Indonésia são atingidas pela seca, disse Tai.

A produção de café do Brasil, Colômbia e Indonésia caiu 5-10% durante o mesmo período, enquanto a produção do Vietnã aumentou à medida que mais áreas foram plantadas com grãos, disse Tai.

La Niña tende a causar chuvas adversas acima da média em muitas partes da Colômbia, e seus efeitos podem começar a aparecer de outubro a dezembro, disse Roberto Velez, presidente-executivo da Federação Nacional de Cafeicultores da Colômbia.

Embora isso possa beneficiar áreas que tradicionalmente recebem menos chuva, os dias mais escuros causados ​​pelo excesso de nuvens reduzem a luminosidade necessária para que a floração ocorra, erodindo o potencial geral de produção.

O aumento da umidade também pode desencadear surtos de ferrugem do café, que ocorreram entre 2010-12, reduzindo a produção. No entanto, cerca de 80% das plantas do segundo maior produtor de arábica agora são resistentes à ferrugem, em comparação com uma porcentagem muito baixa durante o último La Niña, disse ele.

Ainda assim, a produção de café da Indonésia pode cair, já que a chuva causa queda ou apodrecimento das cerejas de café, especialmente se a chuva ocorrer mais de 10 dias seguidos, disse Moelyono Soesilo, chefe de processamento e café especial da Associação de Exportadores e Indústrias de Café da Indonésia.

Açúcar

A produção de açúcar da Austrália, Brasil e Tailândia pode ser afetada, disse Tai. A seca pode reduzir a produção no Brasil, com a produção caindo 12% durante o último grande La Niña. Na Austrália, são chuvas fortes no norte do país que podem atrasar a colheita.

O esmagamento está quase na metade do caminho nas regiões de cultivo da Austrália e “anos La Niña podem trazer um indesejado fim úmido para a temporada doméstica de moagem”, disse Charles Clack, analista de commodities do Rabobank, no relatório de setembro.

Algodão

Para o algodão, as condições mais secas do que o normal no sul e oeste do Brasil e no norte da Argentina podem ter um impacto negativo nas plantações lá, enquanto mais chuva pode beneficiar a fibra australiana, de acordo com Donald Keeney, meteorologista sênior da Maxar em Gaithersburg, Maryland. (Bloomberg) 

 

Por:
Virgínia Alves
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

1 comentário

  • Marcio Lacort

    E o corredor de umidade que vem da Amazônia, até isso a competência que temos não vai mais ter. A Amazônia, maior riqueza q temos, mas que nada... vamos destruir e deixa um deserto no país. Os espertos no comando. Kkkkk

    42
    • Geraldo Emanuel Prizon Coromandel - MG

      Desculpe-me Sr. Márcio, mas sua intervenção me fez lembrar de um bordão do programa humorístico "Sai de Baixo": Cala booca Maaaagda...kkk

      11
    • Vilson Ambrozi Chapadinha - MA

      Repito.cala a boca Magda.

      13
    • Vilson Ambrozi Chapadinha - MA

      A zona de influência negativa do La Niña atinge a safra americana. Difícil escapar sem uma queda de 20 milhoes de Ton de soja, e outro grande número no milho.

      0
    • Marcio Lacort

      isso o tempo vai dizer e tambem sou ligado ao agro antes que me chamem de petralhas, comunistas, que aliás nossos produtos estão sustentando esses regimes. China não e capitalista kkkk. E aqui a opinião e livre, mas democracia acho outro termo meio confuso certas pessoas.

      15
    • Marcio Lacort

      Respeito opinião dos outros... e fim de papo.

      17
    • carlo meloni sao paulo - SP

      Marcio, ja' que vc diz que respeita a opiniao dos outros... entao vou lhe apresentar a minha que e' diferente de muitos deste espaço---Trabalhei com pessoas que ficaram anos em Shangai -----A China e' mais capitalista do que muitas naçoes ocidentais da zona do Euro-----A unica diferença e' que a terra e' do estado e e' cedida exclusivamente a quem trabalha nela----Lembro a todos um comentario do seu presidente XI JINPING quando o vice presidente do congresso CHENG KEJIE foi condenado a morte ----->Entendeu??

      0
    • carlo meloni sao paulo - SP

      Tiraram o comentario do presidente

      0
    • carlo meloni sao paulo - SP

      Fico chateado ,,quem sera' que tirou a frase mais importante do comentario??

      0
    • carlo meloni sao paulo - SP

      comentario do presidente :::::ele queria voltar ao sistema marxista anterior

      0
    • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

      Sr. MARCIO, vejo que você consegue prever condições futuras e tem plena convicção de que vai se concretizar... Por que você não aposta na Mega Sena? ...

      4