Safra do PR desafia o La Niña

Publicado em 09/11/2010 07:55
310 exibições
A variável clima será decisiva, mas a soja tem potencial para igualar ou até superar a marca de 13,8 milhões/t. O milho reduz 1,5 milhão/t.
Com toda cautela que o tema requer, principalmente em ano de La Niña, variável decisiva na projeção da temporada, no ciclo 2010/11 a soja do Paraná tem potencial para igualar o desempenho excepcional registrado na safra anterior. A partir do levantamento realizado pela Expedição Safra, o Indicador de Safra Gazeta do Povo aponta, neste momento, para uma produção estimada de 13,87 mi­­lhões de toneladas, volume li­­geiramente superior às 13,86 milhões/t colhidas exercício 2009/10. A previsão, que considera um recuo na produtividade média, para 2.970 quilos/hectare, ou 49,5 sacas/ha, trabalha com um aumento de 4,5% na área, que cresce em cima do milho.

A extensão destinada ao cereal de verão encolhe em mais de 170 mil hectares. Ele foi preterido basicamente por dois motivos. Apesar da cotação atual, atrativa, a relação custo/rentabilidade da safra passada desestimulou o plantio. A reação nos preços internos, a partir de agosto, aconteceu depois que a decisão de cultivo já havia sido tomada. O segundo fator é que o milho tem um risco climático maior do que a soja, que além de mais liquidez suporta mais e melhor possíveis veranicos, períodos de estiagens no desenvolvimento das lavouras, típicos do La Niña.

De qualquer forma, com mais soja e menos milho puxado pelo cereal, o resultado total das duas culturas tende a ficar abaixo das 20,6 milhões de toneladas colhidas no ano passado , o fato é que o mercado está e deve continuar em alta. Para os contratos de maio de 2011, que refletem a safra brasileira, a oleaginosa fechou o pregão de ontem, na Bolsa Chicago, cotado a US$ 12,91/bushel, ou US$ 28,47/saca de 60 quilos. O cereal, para o mesmo vencimento, encerrou as negociações a US$ 6,10/bushel ou US$ 14,40/saca de 60 quilos. O primeiro contrato, com liquidação para novembro da soja e dezembro do milho, fechou a segunda-feira valendo US$ 12,69 e US$ 5,90, respectivamente. Os preços internacionais em alta contribuem, inclusive, para amenizar o impacto negativo do câmbio, que, com o real valorizado, deixa as exportações pouco atraentes.

A Expedição Safra constatou uma redução no custo de produção, em torno de 6,8% na soja e de 3,5% no milho. O desembolso menor é sustentado pelo recuo dos preços dos fertilizantes e agroquímicos. A variação no custo, porém, depende da época de aquisição dos insumos. Quem deixou para comprar na boca da safra, quando os preços foram reajustados, pode não ter sido beneficiado com o custo menor.
Tags:
Fonte: Gazeta do Povo

Nenhum comentário