Produtores investem em tecnologias contra o frio para evitar prejuízos no Rio Grande do Sul

Publicado em 08/07/2011 10:44 346 exibições
Rúculas fartas na estufa contrastam com alfaces destruídas pelos efeitos danosos da geada em Passo Fundo, no norte do Rio Grande do Sul. Um cenário que reforça a necessidade de investir em ambientes protegidos e novas tecnologias para evitar prejuízos.

O frio intenso e a umidade desafiam agricultores como Edgar de Souza. Dos 4,5 hectares de hortaliças plantadas, só há mil metros quadrados de rúcula na estufa. Alface, brócolis, couve-flor e tempero verde são reféns do clima. A geada consumiu 75% da produção de alface e mais da metade das demais hortaliças. O prejuízo chega a quase R$ 20 mil.

– Não há planta que aguente. Encontrar uma boa é como garimpar ouro – conta o agricultor, que cultiva hortaliças há 22 anos.

Feito há um ano e meio, o investimento de cerca de R$ 35 mil na estufa amenizou as perdas e aumentou a qualidade. Financiado, o abrigo começa a ser pago em fevereiro de 2012. Souza sonha em ampliar a área protegida, mas falta dinheiro. Mesmo assim, estuda implantar túneis baixos de plástico.

Os prejuízos decorrentes do frio na produção de hortaliças refletirão no bolso dos consumidores. Para a próxima semana, a Centrais de Abastecimentos do RS (Ceasa/RS) estima alta superior a 25% nas vendas de alface, agrião, rúcula, radite, espinafre e tempero verde para o varejo.

– O clima atinge a produção. Se cai a oferta, a tendência é subir o preço – diz Claiton Colvello, do setor de análise e informações da Ceasa/RS.

A Associação Gaúcha de Supermercados (Agas) projeta alta de até 40% nos preços de hortaliças. Apesar disso, garante que não há risco de faltar produtos e reitera que a redução de consumo no inverno diminui o problema.

Como proteger a produção do frio:

Hortaliças

- Risco: perda parcial ou total da produção feita a céu aberto e aumento no consumo de água e energia.
- O que fazer: a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater) recomenda o uso de túneis baixos, mais barato, mas exige mão de obra, ou estufas,eficiente, mas com custo maior, para melhorar qualidade, precocidade e produtividade.

Grãos

- Risco: Quebra parcial da safra nas culturas de inverno como trigo, cevada e canola
- O que fazer: a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) recomenda ao produtor ter seguro agrícola, investir em genética e fazer o plantio em épocas diferentes para amenizar eventuais perdas.

Tags:
Fonte:
Zero Hora

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário