Suínos: Abril fecha com momentos variados nos preços pagos aos produtores das principais praças

Publicado em 06/05/2014 15:55 218 exibições

A segunda metade do mês de abril mostrou momentos variados nos preços pagos ao produtor independente de suínos nas principais praças do país.

Enquanto algumas praças como Goiás, Mato Grosso, Erechim (RS), Ijuí (RS), Chapecó (SC) e Aurora (SC) não apresentaram variações de preços, outras tiveram altas e baixas expressivas, sendo que Irati (PR) teve a maior queda (5,63%) e Toledo (PR) teve a maior alta (7,14%).

A oscilação nos preços de suínos se deve a uma oferta restrita, tornando o mercado dependente da demanda. Os feriados prolongados ao longo do mês colaboraram para a redução de consumo em algumas localidades.

Os produtores de suínos estão cautelosos com seus planteis para que não se repita uma crise como a ocorrida em 2012, quando o excesso de produção ocasionou em um desequilíbrio que trouxe muitos prejuízos aos suinocultores.

No entanto, a liberação de novos frigoríficos brasileiros para o fornecimento de carne suína por parte da Rússia é um dos fatores que trazem um cenário animador para as exportações, uma vez que as compras russas devem ser ampliadas por conta da crise geopolítica com a Ucrânia, que costumava comprar volumes importantes do Brasil e revender para o país vizinho. Nos últimos meses, a Ucrânia diminuiu suas importações e a Rússia passou a comprar em volume maior, diretamente do Brasil. Em março, a Rússia respondia por 30% das exportações brasileiras da carne.

Em abril, as exportações brasileiras de carne suína renderam US$108,5 milhões, apontando um crescimento de 24,3% em relação a 2013, segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex). Os embarques de carne suína para o exterior somaram 36,7 mil toneladas, 24,8% a mais do que no ano passado.

Outro fator bastante aguardado pelos produtores é a Copa do Mundo no Brasil, que deverá contribuir para a valorização de todos os produtos por conta da maior demanda interna impulsionada pelos turistas. A curto prazo, a semana do Dia das Mães pode ser essencial para um aumento no consumo.

Deve-se ter, ainda, atenção com a questão sanitária. Valdecir Folador, presidente da Associação de Criadores de Suínos do Rio Grande do Sul (ACSURS), destaca a Diarreia Epidêmica Suína (PED, na sigla em inglês), que vem matando suínos em 23 estados dos Estados Unidos e trazendo prejuízos aos produtores americanos, que apontam a doença como uma das mais infecciosas já vistas. O vírus, 100% fatal para suínos jovens, é comum na Europa e na Ásia e não está presente nos planteis brasileiros, mas demanda cuidado.

Confira a variação de preços no período entre 16 de abril e 05 de maio:

Tags:
Por:
Izadora Pimenta // André Lopes
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário