Suíno Vivo: Paraná e Rio Grande do Sul elevam referência para semana

Publicado em 30/05/2016 18:15
170 exibições

A pesquisa semanal da cotação do suíno no Rio Grande do Sul apontou aumento de R$ 0,12 no preço pago pelo quilo do suíno vivo ao produtor independente no ficando em R$ 3,56/kg. Já o preço médio do suíno agroindustrial é de R$ 2,77/kg.

A ACSURS (Associação de Criadores de Suínos do Estado) também informou que a saco do milho baixou para R$ 52,16 (anterior R$ 54,00) e o farelo de soja subiu para R$ 1.535,00 no pagamento à vista (anterior R$ 1.390,00) e para R$ 1.560,00 no pagamento com 30 dias de prazo (anterior R$ 1.405,00).

No Paraná o avanço foi de R$ 0,29 no quilo do animal vivo, conforme indicou a APS (Associação Paranaense de Suínos). Assim, a referência semanal saiu de R$ 2,83/kg para R$ 3,12/kg.

No atacado também foram verificadas altas nos preços na última semana. A carcaça especial está cotada, em média, em R$5,60/kg, aumento de 1,8% no período. Desde o início do mês, a carcaça subiu 21,7%, segundo levantamento da Scot Consultoria.

No curto prazo, com a entrada do novo mês, a Consultoria espera novas valorizações tanto do animal vivo, quanto no atacado.

De acordo com o alerta de mercado do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada) as altas recentes melhoraram o poder de compra do suinocultor frente aos principais insumos da atividade (milho e farelo de soja).

Na semana que encerrou sete praças de comercialização realizaram valorização. Para a ABCS (Associação Brasileira dos Criadores de Suínos) o cenário para o setor de carne suína do Brasil tende a melhorar nos próximos meses, com entrada da safrinha e do inverno.

O diretor executivo da Associação, Nilo de Sá espera que “a entrada da safrinha deve reduzir o preço do milho entre 20% e 30%, mesmo com a quebra (na produtividade) observada no Centro-Oeste”, disse. “Já o preço do suíno vivo vem crescendo nas últimas semanas, observando sazonalidade similar a 2015", acrescentou.

>> Confira a cotação completa para o suíno.

Por: Larissa Albuquerque
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário