Frango Vivo: Cotações voltam a fechar o dia com estabilidade nesta 3ª feira

Publicado em 20/09/2016 18:24 e atualizado em 20/09/2016 19:29
68 exibições

As cotações para o frango vivo voltaram a encerrar estáveis nesta terça-feira (21). Com isso, o mercado não registra mudanças de preços desde o final de agosto, quando os preços foram pressionados pela demanda enfraquecida do período. Em São Paulo, a referência está em R$ 3,10/kg e em Minas Gerais em R$ 3,30/kg.

O analista da Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, explica que o cenário acabou frustrando o mercado, que esperava altas. Por outro lado, com a entrada da segunda quinzena do mês – quando o consumo das proteínas é menor –, a pouca movimentação nas cotações é normal. 

Com a situação nos custos de produção, a necessidade de reajustes positivos é necessária para recuperar margens. Para Iglesias, um dos fatores que tem contribuído para o cenário é a questão da oferta de animais em algumas regiões. “Essa teoria ganha corpo observando os alojamentos do primeiro semestre que foram bastante elevados”, frisou.

Por outro lado, os problemas relacionados com a escassez de milho no cenário doméstico têm trazido perspectivas mais positivas para os preços. Segundo a ABPA (Associação Brasileira de Proteína Animal), a situação deve proporcionar redução na produção neste segundo semestre, segundo levantamento realizado por agroindústrias do setor. Com isso, a demanda pelo cereal deve ser reduzida em mais de 1 milhão de toneladas.

“A perspectiva positiva sobre o abastecimento de milho também é influenciada pela oferta do cereal nos silos paraguaios e argentinos, além do bom desempenho da Primeira Safra, especialmente nos estados do Sul, que concentram 70% da produção de carne de frango e 80% da produção de carne suína. Para os dois setores, entretanto, é indispensável que seja viabilizada a importação de milho dos Estados Unidos para o Brasil. Com isto, a escassez que enfrentamos no primeiro semestre não deverá se repetir”, afirma o presidente da ABPA, Francisco Turra. 

Por: Sandy Quintans
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário