Produção de leite na Argentina encerrará o ano em nível mais baixo desde 2010

Publicado em 22/11/2016 09:43
47 exibições

A produção láctea da Argentina deve chegar ao seu nível mais baixo desde 2010, com 10 bilhões de litros. A redução se deve ao excesso de chuvas e aos baixos valores que estão sendo pagos ao setor leiteiro.

Esta queda representa 11% a menos do que no ano passado, ou seja, de 1,2 bilhões de litros a menos do que em 2015.

Com base nos dados da Secretaria de Produção Leiteira do Ministério da Agroindústria do país, a produção leiteira vem manifestando um crescimento nos últimos três períodos (2013 a 2015).

Este ano, o panorama foi visivelmente afetado pelas inundações do começo o ano, que afetaram todas as principais regiões produtoras do país, como Córdoba, Santa Fe e Buenos Aires. Somente em Santa Fe, as constantes chuvas de abril fizeram com que 100.000 vacas leiteiras fossem atingidas por afogamento e falta de alimento.

A perspectiva de queda também foi compartilhada por Flavio Mastellone, diretor de abastecimento da empresa La Sereníssima, que disse na semana passada, durante congresso da cadeia no bairro de Puerto Madero, na capital federal de Buenos Aires, que "hoje estamos com 10% a menos de leite do que no ano anterior".

O mesmo estimou que, para superar a crise, é preciso reduzir a margem e revisar o peso tributário na cadeia láctea. Ele disse também que a empresa, que utiliza quase 4 milhões de litros de leite diários para produzir queijos e laticínios, "não escapa à problemática que enfrenta o setor, que não tem crescimento a nível nacional nos últimos 15 anos".

As perspectivas para o próximo ano, no entanto, são positivas. Recentemente, o ministro da Agroindústria da província de Buenos Aires, Leonardo Sarquís, disse que as previsões para o começo de 2017 sobre o preço do leite estão em alta, o que elevaria o preço a US$0,30 a US$0,35 por litro de leite cru.

Tradução: Izadora Pimenta

Fonte:
Agrositio

0 comentário