PF usa troca de mensagens para indiciar Abílio Diniz e Pedro Faria em operação Trapaça

Publicado em 15/10/2018 15:41 e atualizado em 16/10/2018 11:53
3212 exibições
Inquérito da PF chega ao fim e demonstra que houve dolo da BRF no caso da Operação Trapaça

LOGO nalogo

A Polícia Federal  divulgou há pouco resultado do inquérito judicial mostrando, segundo laudos técnicos, que houve dolo da BRF no caso da Operação Trapaça que resultou da descoberta de salmonela em aves de abatedouros da empresa. Encaminhado à 1a Vara Federal Criminal de Ponta Grossa (PR), o parecer da PF diz "haver adulteração dolosa na composição das fórmulas de rações e premix, o uso em processo industrial de elementos proibidos em território nacional, e, inclusive, a detecção de resíduos tóxicos de potencial cancerígeno em produtos da BRF".

A base da contaminação por salmonela foi advinda, portanto, segundo a PF, do concentrado alimentício dos animais (premix).

O inquérito instaurado em 20 de fevereiro deste ano e que agora chegou ao final, aponta também "existência de fraude operada por funcionários do Grupo Merieux, com a finalidade de alterar substancialmente os resultados de análises microbiológicas, quando positivados para a presença de patógenos".

Executivos do BRF e do referido laboratório investigado teriam combinado adulterações de exames, mesmo depois de positivado a ocorrência de salmonela.

Segundo o laudo do técnicos de PF e do Mapa, a BRF também  agiu perigosamente "inserido no mercado consumidor, ao menos em dez estados da federação, produtos positivados com a bactéria Salmonella Typhimurium, ocultando do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento tanto a positividade da detecção quanto seu aproveitamento irregular, em clara violação aos normativos legais".

Confira o relatório na íntegra

Abilio e Pedro Faria suspeitos por crimes de estelionato

BRASÍLIA (Reuters) - No relatório final da operação Trapaça entregue nesta segunda-feira à Justiça Federal, a Polícia Federal usou a troca de mensagens por meio do aplicativo WhatsApp e acesso a emails para indiciar o empresário Abílio Diniz e o ex-presidente da empresa de alimentos BRF Pedro de Andrade Faria.

Os executivos são suspeitos de terem cometido crimes de estelionato, contra a saúde pública, falsidade ideológica e organização criminosa, de acordo com o documento obtido pela Reuters. Ao todo, foram 43 indiciados na operação. Caberá ao Ministério Público Federal decidir se oferece denúncia com base nas conclusões da polícia, se pede novas diligências ou se arquiva a apuração, por não considerar haver provas para fazer uma acusação criminal contra os citados.

No relatório de 404 páginas, o delegado da PF Maurício Moscardi Grillo afirma que a análise de arquivos durante a investigação, como conversas por mensagens de emails e WhatsApp, "concluiu-se a prática das condutas delitivas não se restringia ao círculo das equipes técnica e gerencial das fábricas da BRF".

"Há, de fato, a participação do corpo diretivo da empresa na trama investigada, o qual tinha ciência de seu modus operandi, e que, não somente se omitiu em relação a fazer cessá-lo, mas, também, participou comissivamente dos atos de ocultação das fraudes, norteando sua execução", diz o relatório.

"Destaca-se a participação ativa, em caso envolvendo a detecção de resíduo tóxico em carne de frango pelas autoridades chinesas (Dioxina), de Pedro de Andrade Faria (à época diretor-presidente global do grupo BRF), Abílio dos Santos Diniz (à época Presidente do Conselho da BRF) e José Carlos Reis de Magalhães Neto, sócio da Tarpon Investimentos ", segundo o relatório.

A operação Trapaça foi desencadeada pela PF em 5 de março de 2018, levando a prisão, na época, de Pedro Faria.

Em um dos casos citados no relatório, a PF relata uma conversa por WhatsApp entre Pedro Faria, Abílio Diniz e José Carlos Reis de Magalhães Neto, sócio da Tarpon, de 12 de dezembro de 2014.

Entre as mensagens citadas no relatório da PF, consta comunicação de Abilio com Faria e Magalhães Neto em que o executivo afirma que "Não estou a par mas enquanto pudermos não alimentar mais é melhor. Mas temos ótimos assessores confio neles."

Para a PF, o contexto das conversas indica o conhecimento dos principais executivos da BRF sobre os problemas.

"Abílio Diniz e Pedro Faria, pela posição hierárquica que ostentavam no quadro corporativo do grupo, possuíam plena capacidade de orientar os círculos sob sua subordinação a tomar as medidas técnicas e eficazes, em âmbito sanitário, para que se determinasse a causa-raiz da contaminação química dos produtos destinados ao consumo e a regularização do processo industrial."

O delegado anota que, contudo, o que ocorreu na conversa foi a "lamentação" dos executivos do vazamento da informação, a interlocução com a então ministra da Agricultura, a senadora Kátia Abreu (PDT-TO), e a tomada de medidas com o objetivo de "abafar" a disseminação de fatos descritos em matéria veiculada na imprensa nacional.

Abílio Diniz foi presidente do conselho de administração da BRF, dona das marcas Sadia e Perdigão, e desde 2016 é membro do conselho de administração do grupo Carrefour.

A BRF não se manifestou. Tarpon, Magalhães Neto e Carrefour não comentaram o assunto. Procurada, a Península Participações, responsável pelos investimentos de Diniz, afirmou que o empresário "não cometeu nenhuma irregularidade como presidente do conselho de administração da BRF". Segundo a Península, "não existem elementos que demonstrem irregularidades cometidas por Abilio Diniz".

Tags:
Por: Giovanni Lorenzon
Fonte: Notícias Agrícolas

1 comentário

  • Dalzir Vitoria Uberlândia - MG

    Quando uma empresa deste porte é administrada por neófitos dá nisto...fui concorrente da sadia uns 25 anos..e sempre sobreviveram com muita incompetência na área de produção...industria e logística pelo preço final da marca nas gôndolas... Então isto deveria ser normal..a empresa com melhor desempenho na produção sempre foi a Seara...e mais rápida em decisões...mais versátil..mais aguerrida era a perdigão...a sadia era igual a órgão público com poucas exceções...tanto o presidente executivo...como o do conselho deveriam saber dos problemas..pois é uma decisão que envolve marca e mercado e não esta na mão de chefetes...nunca esteve..é lamentável o feito...idiotas que nunca viram um porco ou uma galinha brincando com sanidade..

    12