Costa Rica é o primeiro país da América Central a exportar carne suína para a China

Publicado em 14/02/2020 15:28
49 exibições

Com a lenda “Primeira exportação de carne suína para a República Popular da China”, nesta sexta-feira, 14 de fevereiro, um contêiner com 24 mil quilos de carne suína de Puerto Caldera partirá para Puerto Shenzhen, Guandong, o que faz da Costa Rica o O primeiro país da América Central a exportar essa linha de produtos processados ??para o principal mercado mundial.

A carga que deixará o principal porto do Pacífico da Costa Rica e chegará à China em 35 dias representa o culminar de um árduo processo de negociação iniciado desde 2013.

A informação foi divulgada nesta quarta-feira pelo presidente da República, Carlos Alvarado, e pelo ministro da Agricultura e Pecuária, Renato Alvarado, nas instalações do Grupo Zamora, localizado em Barreal de Heredia, a primeira unidade de processamento de carne suína autorizada a Exportação pelas autoridades sanitárias chinesas.

O ministro do Comércio Exterior, Dyalá Jiménez, o diretor geral do Serviço Nacional de Saúde Animal (SENASA), Bernardo Jaén e o embaixador chinês na Costa Rica, Tang Heng, entre outros convidados, além de Mario Garro, também participaram da reunião. Presidente do Grupo Zamora e Rómulo Chaves, Presidente da Câmara de Produtores de Suínos.
O presidente descreveu esse primeiro embarque de carne suína para o país asiático como um marco ", permitindo a expansão para novos mercados e a geração de novas oportunidades para pequenos e médios produtores de suínos".
Ele acrescentou que essa abertura também contribuirá para divulgar a excelência dos produtos fabricados em nosso país, o que servirá para aumentar e consolidar as exportações de produtos pecuários para esse importante destino.

Em 2019, foram exportados cerca de 15 milhões de quilos de carne bovina para a China e espera-se exportar 3 milhões de carne suína este ano.
 
Por seu turno, o ministro do MAG, Renato Alvarado, lembrou que este é o resultado de um processo de negociação iniciado em 2013 com a assinatura do protocolo sobre requisitos sanitários e veterinários. Posteriormente, em 2016, as autoridades chinesas auditaram potenciais estabelecimentos exportadores. 

Durante a atividade, o presidente Carlos Alvarado colocou simbolicamente um selo de segurança no contêiner que dizia “Primeira exportação de carne de porco para a República Popular da China”. Além disso, o SENASA entregou à empresa um certificado de saúde.

Com essa exportação, que inclui costeletas, costelas, paletas, gordura, pele, pernas, tubos e orelhas, a Costa Rica se torna o primeiro país da América Central a introduzir carne de porco com carne na China e o quinto da América Latina com o México , Chile, Brasil e Argentina. 
 
Capital da Costa Rica

O Grupo Zamora - de capital da Costa Rica e com 24 anos de mercado - possui duas unidades: a American Swine, responsável pela produção, e a Carnes Zamora, que processa o produto final. Ambos os estabelecimentos passaram por um processo para serem autorizados, registrados e incluídos nas listas correspondentes do Serviço Nacional de Saúde Animal (SENASA).

Entre os requisitos sanitários estabelecidos no protocolo assinado entre a Costa Rica e a China, estão incluídas medidas de biossegurança, garantia de que a carne provém de animais saudáveis, nascidos e criados na Costa Rica e certificação de que a carne de porco congelada está livre de contaminantes ou patógenos.

Mario Garro, presidente do Grupo Zamora, declarou que “nosso país produz carne de porco de qualidade e é por isso que estamos entrando no maior comprador mundial desse produto; É uma grande oportunidade para a indústria suinícola continuar crescendo sem negligenciar nossos clientes locais e criar mais empregos”.

Ele acrescentou que Carnes Zamora começará com uma programação de um contêiner por semana e depois 10 por mês durante o primeiro ano.

Por fim, Rómulo Chaves, presidente da Câmara de Produtores de Suínos da Costa Rica, disse que "é uma oportunidade para o nosso setor no momento em que as importações começam a afetar negativamente os preços pagos aos produtores, e não ao consumidor final".

Nesse contexto, ele explicou que as importações do último trimestre do ano de 2019 reduziram mais de 12% do preço pago aos produtores, sem que isso resultasse em uma redução de preços para o consumidor.

“Esperamos que essas exportações sejam a válvula de escape que exigimos que os produtores continuem produzindo e gerando empregos para muitas famílias nas áreas rurais do país. Segundo dados oficiais, nosso setor gera mais de 2.000 empregos diretos e todas as nossas fazendas estão localizadas em áreas rurais ”, concluiu.

Atualmente, existem outras 9 fazendas de suínos em processo de autorização pelo SENASA, além de duas unidades de abate e uma unidade de desossagem que estão em fase de certificação para acessar esse mercado asiático.

Tags:
Fonte:
Avicultura Industrial

0 comentário