Frigorífico do município de Maravilhas (MG) recebe selo do Certifica Minas Frango Caipira

Publicado em 02/06/2020 14:02 123 exibições

A produção de frango caipira em Minas Gerais ganhou mais uma empresa reconhecida pelo programa Certifica Minas. A integradora Fredini Alimentos, proprietária de uma granja e um frigorífico em Maravilhas, na região Central do estado, já pode comercializar seus produtos com o selo do programa que é coordenado pela Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa) e executado por suas vinculadas - Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG), Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais e Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA).

Na prática, o selo confere ao consumidor a certeza de que os frangos foram, entre outras características, criados soltos, com alimentação vegetal e não forçada, garante o gerente de Certificação do IMA, Rogério Fernandes. 

“Para conceder a certificação nossos auditores verificaram documentos, realizaram entrevistas e analisaram visualmente todo o processo produtivo quanto ao cumprimento de 114 critérios de certificação. E essa é a segurança que o consumidor precisa para exercer em plenitude seu poder de compra”, destaca. 

Fernandes explica, ainda, que no caso da Fredini Alimentos foi aplicada a auditoria de cadeia de custódia, que é uma modalidade do programa destinada a garantir que distribuidores e processadores tenham rastreabilidade nas suas ações, não misturando produtos certificados com outros convencionais. “Ou seja, foi evidenciado que o frigorífico realiza o abate dos frangos caipira em turnos diferentes dos convencionais, prezando pela separação e individualização em todos os momentos”, acrescenta. 

Expectativas

Coordenador de Tecnologia da Informação e Produção de Aves da Fredini Alimentos, Prêntice Vilela explica que a expectativa da empresa é atender às exigências de consumidores que, cada vez mais, procuram por produtos de máxima excelência e procedência natural.

“Entendemos que o selo trará uma boa exposição para a marca, pois a certificação é mais do que a imagem, mostra que a empresa se preocupa com o bem-estar animal e está de acordo com as leis trabalhistas e ambientais”, analisa Vilela. 

A empresa abate, aproximadamente, 8 mil aves certificadas a cada 70 dias, o equivalente a cerca de 45 mil por ano. Para manter o selo, que precisa ser renovado periodicamente, há uma série de protocolos a serem obedecidos. 

“As aves devem ser criadas soltas em piquetes de pastejo, que são sempre cercados, bem ventilados, com sombreamento. Deve-se também respeitar a linhagem de crescimento lento e rústico, o que dá maior resistência às aves diante de enfermidades”, explica o coordenador do Programa Certifica Minas Frango Caipira no IMA, Maurício Teixeira Pontes.

Ele detalha ainda os cuidados com a alimentação dos animais. “Tem que ser natural, exclusivamente de origem vegetal oriunda da propriedade, como soja, milho, hortaliças e frutas. Não é permitido o uso de restos de alimentos, por exemplo”, reforça Pontes. 

Crescimento

Minas tem, atualmente, 310 municípios que produzem frango caipira com algum propósito de comercialização. Quem afirma é o superintendente de Inovação e Economia Agropecuária da Seapa, Carlos Eduardo Bovo, que acredita no potencial de crescimento do setor no estado. 

“Com a entrada das agroindústrias, há um ganho muito grande. Um dos diferenciais foi a certificação da cadeia de custódia. Dessa forma, as empresas que estão processando o frango podem colocar na embalagem esse selo. É algo novo e outras cadeias, como a do café, também já demonstram interesse em fazer o mesmo”, explica Bovo. 

Sobre o programa

O programa Certifica Minas tem a finalidade de assegurar a qualidade dos produtos agropecuários e agroindustriais produzidos no estado e a sustentabilidade de seus sistemas de produção, proporcionando maior competitividade e favorecendo a inserção em novos mercados.

Além do frango caipira, a iniciativa conta com os escopos de algodão, azeite, cachaça, café, carne bovina, frutas, leite, orgânicos, ovo caipira, hortaliças, queijo artesanal e produtos sem agrotóxicos.

O selo de certificação tem a validade de um ano, podendo ser revalidado, de acordo com o interesse do produtor, após novas auditorias do IMA, o órgão certificador oficial do Estado. Produtores da Agricultura Familiar têm adesão gratuita ao Programa. A adesão é voluntária.

Tags:
Fonte:
Sec. de Agricultura de MG

0 comentário