Preços do suíno independente sobem em SC e RS, demais praças ficam com preços estáveis

Publicado em 18/06/2020 14:44 e atualizado em 18/06/2020 17:51 190 exibições
Apesar dos preços não terem tido altas expressivas, lideranças do setor apontam que não há espaço para quedas, e que as próximas semanas devem ser de estabilidade ou altas

LOGO nalogo

As principais praças de suinocultura independente do país tiveram, em sua maioria, cotações estáveis esta semana. De acordo com as lideranças do setor, o as negociações estão fluindo, e não há espaço para quedas nos preços. com possibilidade de estabilidade ou altas para a próxima semana.

No Rio Grande do Sul, a alta foi de R$ 0,05, chegando a R$ 4,34/kg do suíno vivo. De acordo com o presidente da Associação de Criadores de Suínos do Rio Grande do Sul (ACSURS), Valdecir Folador, mesmo que a alta tenha sido pequena, é um sinal positivo.

"A tendência é de que o mercado se mantenha forte para, quem sabe, ter mais um reajuste na próxima semana. A oferta e a demanda estão ajustadas, e isso faz com que pouco a pouco os preços vão subindo", disse.

Segundo o presidente da Associação Catarinense de Criadores de Suínos (ACCS), Losivanio de Lorenzi, o preço do suíno vivo no mercado independente, negociado nesta quinta-feira (18) passou de R$ 4,60 para R$ 4,64 o quilo. 

"O volume comercializado está dentro da mpedia, e acredito que o mercado interno começou a mudar um pouco, a melhorar o consumo. Acredito que na semana que vem os preços devam reagir mais, e haja a virada sobre os custos de produção". 

O Estado do Mato Grosso teve manutenção no preço do suíno independente em R$ 3,80/kg, conforme explica o presidente da Associação de Criadores de Suínos do Mato Grosso (Acrismat), Itamar Canossa. 

Para ele, é preciso que haja uma rotação melhor na economia interna para que os preços melhorem, mas afirma que os valores têm uma base firme e que as cotações devem se manter para a próxima semana. 

Também negociado nesta quinta-feira, o preço do suíno no mercado independente de Minas Gerais ficpu estável em R$ 5,30/kg. Alvimar Jalles, consultor de mercado da Associação dos Suinocultores do Estado de Minas Gerais (Asemg), explica que a decisão pela manutenção dos preços foi justificada pela distância de preços de Minas Gerais em relação aos outros estados.

"A nossa hipótese lá no início da pandemia de que o alimento não é um produto de consumo facultativo está comprovada pela prévia do abate inspecionado pelo SIF de maio, no auge do isolamento social, que foi equivalente foi de 99% do mês de dezembro, um mês de vendas elevadas".

Em São Paulo, segundo informações da Associação Paulista de Criadores de Suínos, os preços também ficaram inalterados em relação à semana passada, com o suíno vivo cotado a R$ 4,80/kg. De acordo com o presidente da associação, Valdomiro Ferreira, foram comercializados mais de 24 mil cabeças nesta semana.

Tags:
Por:
Letícia Guimarães
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário