Argentina trabalha acordo com a China e espera turbinar a produção local de carne suína

Publicado em 29/07/2020 08:36 192 exibições

LOGO REUTERS

A Argentina está chegando a um acordo inicial com a China que poderia abrir caminho para possíveis investimentos da gigante asiática na produção local de carne suína para exportação, disse à Reuters o subsecretário de promoção comercial e investimentos da Argentina.

Isso poderia levar as fazendas de suínos apoiadas pela China no país sul-americano a serem mais famosas por suas pastagens para criação de gado, em um momento em que Pequim procura diversificar o suprimento de suínos depois que as fazendas domésticas foram duramente afetadas pela gripe suína africana.

Pablo Sivori disse que um memorando de entendimento pode ser assinado com a China nas próximas semanas. O ministro das Relações Exteriores do país, Felipe Sola, disse no início deste mês que o investimento chinês pode ajudar a Argentina a aumentar massivamente a produção de carne suína.

"Já concordamos com o conteúdo do memorando", disse Sivori, acrescentando que o Ministério das Relações Exteriores havia pedido ao governo chinês que assinasse o documento virtualmente.

Ele acrescentou que o MOU planejado veio após um processo iniciado pelo setor privado e envolveria estruturas de investimento na Argentina, juntamente com a cooperação em áreas de saúde, pesquisa científica e tecnológica relacionada ao setor.

A Argentina já é uma importante fornecedora de carne bovina para a China, mas uma parte importante no mercado mundial de carne suína. Segundo dados oficiais, em 2019 produziu 630.000 toneladas de carne de porco, das quais apenas 34.000 foram exportadas.

No entanto, a perspectiva de interesse chinês provocou grandes sonhos de possibilidades de crescimento. O ministro das Relações Exteriores Sola disse neste mês que a Argentina poderia produzir 9 milhões de toneladas de carne suína com apoio chinês, mais de 14 vezes o nível atual.

Em março, Pequim instou as empresas de carne suína da China a investir em cadeias de suprimentos no exterior para importar devido aos efeitos devastadores da peste suína africana nos rebanhos chineses.

Os ministérios de agricultura e comércio da China não responderam aos pedidos de comentários.

Lisandro Culasso, chefe da Associação Argentina de Produtores de Porcos (AAPP), demonstrou “interesse chinês” no país, embora qualquer investimento dependa da assinatura de um memorando entre os dois países.

Especialistas de ambos os lados, no entanto, jogaram água fria na idéia de que a produção argentina de carne suína poderia aumentar rapidamente.

Sivori disse que as medidas de produção sanitária estabelecidas pelas autoridades locais precisariam ser seguidas, o que significa que o país só poderá dobrar gradualmente a produção dentro de quatro anos.

Um executivo de uma empresa chinesa que investiu no setor de criação de animais no exterior acrescentou que a Argentina era um lugar "bastante arriscado" para investir, dada a volatilidade do mercado local e a distância física com a China que dificultaria o transporte de porcos vivos.

"É mais viável transportar carne de porco congelada do que porcos vivos, com certeza, mas isso também significa que você precisa ter uma cadeia de produção mais extensa lá e gerenciar matadouros com trabalho intensivo na Argentina", disse ele.

"Apenas a idéia por si só pode deixá-lo louco."

Tags:
Fonte:
Reuters

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário