O aplicativo conjunto FAO e MammalNet ajuda a detectar a peste suína africana em javalis na Europa

Publicado em 25/08/2020 11:37 42 exibições

A peste suína africana (PSA) pode se espalhar por várias vias, inclusive por meio do movimento natural do javali. O vírus é igualmente letal para porcos e javalis. Portanto, testar javalis mortos quanto à presença do vírus ASF é a maneira mais confiável de detectar (e reagir) precocemente à doença nessas populações. É muito provável que o animal morra alguns dias após ser infectado, portanto, se relatado a tempo, as carcaças de javalis podem ser destruídas ou descartadas de maneira adequada para diminuir a contaminação futura.

Para este fim, a FAO uniu forças com a equipe do projeto MammalNet , adicionando novos recursos ao seu aplicativo móvel gratuito, iMammalia, para relatar carcaças de javalis nos Bálcãs e além.

O aplicativo, já em uso na Europa, foi originalmente projetado para registrar facilmente a presença de mamíferos.

“Após a alteração do aplicativo iMammalia, qualquer usuário pode agora, em segundos, relatar a descoberta de uma carcaça de javali, ajudando assim na luta contra a peste suína africana”, disse Mark Hovari, especialista em preparação de saúde animal da FAO. “Os usuários podem relatar as geocoordenadas, nível de decomposição e gênero, e até mesmo fazer upload de uma foto da carcaça.”

Além da nova função, a FAO também traduziu o aplicativo para os idiomas macedônio e sérvio e facilitará o uso do aplicativo por diferentes usuários-alvo nos Balcãs.

Embora os caçadores sejam o grupo-alvo mais comum para encorajar a descoberta de javalis, os caminhantes, os guardas florestais e basicamente qualquer pessoa que visita a floresta podem contribuir muito para a descoberta de carcaças. Quanto mais pessoas estiverem procurando e relatando javalis mortos, melhor para as autoridades manterem a doença sob controle.

Na Europa, a ASF se espalhou progressivamente desde a Geórgia, onde entrou em 2007, até a Europa Central, infectando a maioria dos países em seu caminho. Hoje, a doença já está presente nos Bálcãs, com a Bulgária, Grécia, Romênia e Sérvia relatando surtos, e ameaça se espalhar por toda a região dos Bálcãs. Assim, a doença mortal vem com enormes custos econômicos e consideráveis ​​interrupções comerciais, afetando seriamente os meios de subsistência rurais se não for encontrada a tempo.

“Pode ser difícil encontrar carcaças de javalis mortos na floresta, mas, como comprovado por vários países, não é impossível se a conscientização e os incentivos forem adequados”, disse Daniel Beltran-Alcrudo, oficial de saúde animal da FAO.

O aplicativo está disponível para Android e iOS .

Tags:
Fonte:
FAO

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário