Granjas de suínos e de aves em SC têm problemas na produção por conta da estiagem

Publicado em 26/11/2020 16:19 e atualizado em 26/11/2020 16:54 303 exibições
Logística para transportar água até as propriedades aumenta os custos de produção, e já se projeta redução nos animais para abate no mês de janeiro

LOGO nalogo

A seca que castiga Santa Catarina tem prejudicado a produção de leite e também de aves e suínos. De acordo com o presidente da Associação Catarinense de Avicultura, José Antônio Ribas Júnior, até o início da tarde desta quinta-feira (26) o número de propriedades com perda total ou parcial nos alojamentos, entre suínos e aves, chegava a cerca de 200. "Mas esse dado terá de ser atualizado semanalmente, já que não há previsão de chuvas volumosas para esta semana, nem na próxima", disse. Destas 200 propriedades com problemas causados pela estiagem, em torno de 130 são produtoras de aves. 

Leia Mais:

+ Estiagem faz SC perder o posto de 4º maior produtor de leite do país

+ RS e SC são estados com situação mais severa para seca na soja; chuvas ainda pontuais e insuficientes

+ Rio Grande do Sul com precipitação expressiva nesta 5ª: Inmet emite alerta de chuvas intensa, rajada de vento e granizo

Conforme Ribas Júnior explica, isso encarece o custo de maneira significativa, já que a logística para coletar a água e transportar até as propriedades é complexa. Soma-se o custo do tratamento da água para ser ofertada aos animais, além do alto preço pago na nutrição dos bichos, encarecida pelas elevadas cotações do milho e farelo de soja. 

O presidente da Associação Catarinense de Criadores de Suínos (ACCS), Losivanio de Lorenzi, muitos suinocultores têm ofertado ao mercado animais mais leves do que o normal para venda. "Tem que puxar água para a propriedade, e junto com o preço da ração, fica complicado", contou.

"Não tivemos redução de abate ainda, mas a situação está chegando no limite. O alojamento ainda consegue passar por um processo de compensação, adensando o alojamento onde tem água e reduzindo onde não tem, mas olhando para os números e tendo em vista mais duas semanas sem chuva, estimo que teremos comprometimento imediato de 5% nos alojamentos no oeste do Estado, mais afetado, entre as propriedades que irão reduzir ou suspender totalmente", explicou Ribas.

Lorenzi explica que, diferente da avicultura, na suinocultura é mais complicado para reduzir os alojamentos, com os leitões já nascendo. "O que acontece é que o produtor tem que vender o animal mais leve para tentar driblar os custos. Nas propriedades de terminação, onde se usa mais água não apenas para o consumo dos animais, mas também para refrescá-los do calor, o problema é ainda maior", disse Lorenzi.

O presidente da Acav afirma que para as aves que já foram alojadas e estão se desenvolvendo para serem abatidas, todas as providências estão sendo tomadas para que elas sobrevivam. A questão é que a paralisação ou retração dos alojamentos deve causar escassez de aves para abate em janeiro. 

"O Governo do Estado e os municípios estão dando suporte, liberando verbas e fornecendo a ajuda com caminhões-pipa, mas é preciso que medidas permanentes sejam tomadas para resolver a situação, como a criação de açudes, lagoas, cisternas e poços", afirma. 

Leia Mais:

+ ACCS pede que o MAPA autorize importação de milho com isenção de PIS e Cofins

+ Reunião no município de Planalto (RS) discute ações emergenciais para a estiagem

Tags:
Por:
Letícia Guimarães
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário