Publicidade

Embarques de carne de frango melhoram na 3ª semana de maio, ainda sem efeito da Arábia Saudita

Publicado em 24/05/2021 16:08 60 exibições
Começou a valer no dia 23 o embargo a 11 frigoríficos brasileiros de aves para exportar para o país árabe; analista aponta que efeitos devem ser sentidos na próxima semana

LOGO nalogo

De acordo com informações da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Governo Federal, divulgadas nesta segunda-feira (24) os resultados das exportações de carnes de aves e suas miudezas comestíveis, frescas, refrigeradas ou congeladas nna terceira semana de maio recuperaram o ritmo, e aidna nãos e vê uma queda abrupta possivelmente motivada pela Arábia Saudita.

Leia Mais:

+ Começa a valer embargo da Arábia Saudita a 11 frigoríficos de frango brasileiro

Segundo o analista da SAFRAS & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, o efeito da suspensão por parte da Arábia Saudita de 11 frigoríficos brasileiros de carne de frango aidna não foi sentido, e deve começar a ser notado a partir da próxima semana.
 
"Minha preocupação é que essa questão saudita ainda está muito nebulosa. Chama a atenção a falta de fatos concretos para esclarecer a situação, e a Arábia Saudita é um país de extrema importância para a avicultura brasileira. Mas a carne de frango do Brasil ainda é extremamente competitiva, e sou otimista de que as exportações brasileiras ainda sigam em bom ritmo", disse.

Publicidade

A receita obtida com as exportações de carne de frango neste início de maio, US$ 433.823,081, representa 86,93% o total obtido em todo o mês de maio de 2020, que foi de US$ 499.026,532. No caso do volume embarcado, as 283.023,124 toneladas são 76,1% do total exportado em maio do ano passado, que foi 372.373,801 toneladas.

O faturamento por média diária na terceira semana de maio, US$ 28921,538, foi 15,91% maior do que maio do ano passado. Em comparação à semana anterior, houve avanço de 3,5%.

No caso das toneladas por média diária, foram 18868,208, leve alta de 1,34% no comparativo com o mesmo mês do ano passado. Quando comparado ao resultado para o quesito na semana anterior, observa-se aumento de 1,12%.

Já o preço pago por tonelada, US$ 1532,818, foi 14,38% superior ao praticado em maio do ano passado. Em relação ao valor registrado na semana anterior, houve alta de 2,3%.

 

Por:
Letícia Guimarães
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário