Setor avícola gaúcho se mantém na linha de recuperação das exportações avícolas

Publicado em 22/06/2021 09:11 34 exibições

A avicultura gaúcha exportou 287,8 mil toneladas de carne de frango entre janeiro a maio deste ano, registrando um aumento de 2,3 % em relação ao mesmo período do ano anterior, que foi de 281,3 mil toneladas. Em receita, as exportações avícolas gaúchas atingiram um faturamento de US$ 454,5 milhões nesse período, um aumento de 12,8% sobre o mesmo ciclo de 2020, que foi de US$ 403 milhões.

Em maio de 2021, os embarques de carne de aves do RS somaram 64,5 mil toneladas, 7,4% acima do volume exportado no mesmo mês do ano passado, que fechou em 60,1 mil toneladas. A receita gerada nas vendas desse mês foi de US$ 102,3 milhões, uma alta de 32,5% sobre o mesmo quinto mês de 2020, que somou US$ 77,2 milhões.

O presidente executivo da Associação Gaúcha de Avicultura (Asgav), José Eduardo dos Santos, comenta que o cenário econômico e mercadológico ainda é delicado, principalmente para produtores de carne de frango e ovos que dependem  única e exclusivamente do mercado interno brasileiro. "A adoção de mecanismos de amparo e diminuição da carga tributária, em caráter de contingenciamento, podem evitar desestruturação destes integrantes da atividade", ressalta.   

As exportações de ovos do RS tiveram queda de 166 toneladas nas vendas de janeiro a maio de 2021 chegando em um volume de 559 toneladas, uma retração de 22,9% na comparação com o mesmo período do ano anterior, que embarcou 725 toneladas de ovos. Já a receita cambial do setor registrou incremento de 3,7%, passando de US$ 1.305 milhões para US$ 1.354 milhões. Em maio de 2021, o total foi de 136 toneladas, valor que corresponde a mesma retração verificada nos primeiros cinco meses, que foi 53,1% na comparação com o mesmo mês de 2020, que fechou em 89 toneladas.

No âmbito nacional, a receita cambial oriunda das exportações no quinto mês de 2021 chegou a US$ 656,3 milhões, desempenho 20,1% superior ao obtido em maio do ano passado, com US$ 546,3 milhões.

No acumulado do ano (janeiro a maio), as exportações chegaram a 1,846 milhão de toneladas, saldo 4,6% maior em relação ao ano anterior, com 1,764 milhão de toneladas. Em receita, a alta acumulada é de 4,8%, com US$ 2,826 bilhões em 2021, contra US$ 2,697 bilhões no ano anterior.

Entre os principais mercados importadores deste ano, foram destaques as Filipinas, com 61,9 mil toneladas (+65,3%), a Rússia, com 42,8 mil toneladas (+33,6%), o Reino Unido, com 41,7 mil toneladas (+41,4%) e o Chile com 39,7 mil toneladas (+152,9%) .

Principal estado exportador, o Paraná embarcou nos cinco primeiros meses desse ano 737,1 mil toneladas, volume 6,5% superior ao registrado no mesmo período do ano passado. Em segundo lugar, Santa Catarina exportou 399,9 mil toneladas (-5,47%). No terceiro posto, o Rio Grande do Sul embarcou 287,8 mil toneladas (+2,31%).

“O bom ritmo das vendas de carne de frango para o mercado internacional vem ajudando a equilibrar a pressão gerada pelos custos de produção às empresas que têm acesso às exportações, que representam em torno de 70% das plantas sob inspeção federal. As nações importadoras seguem com boa demanda, e o produto brasileiro manteve-se competitivo no exterior, mesmo sendo abastecido por grãos caros”, analisa Ricardo Santin, presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

Pleitos prioritários encaminhados ao governo federal:

- Liberação de importação de milho dos EUA para uso estrito  na ração animal, atendido por meio da resolução 32 do MCT;

- Suspensão temporária de cobrança de PIS/COFINS nas importações de milho provenientes de países fora do Mercosul (ainda em aberto);

- Financiamento para armazenagem de grãos na agroindústria produtora de proteína animal (ainda em aberto);

- Políticas e programas de incentivo ao plantio de milho e de cereais de inverno (ainda em aberto).

Números do setor JAN/MAIO - 2021 x 2020:

exportações aves avícola rio grande do sul janeiro a maio 2021

Fonte:
Asgav

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário