Rússia criará barreira contra importação de frango em 2011

Publicado em 05/11/2010 10:36
420 exibições
Norma que proíbe o uso de carne congelada prejudica países como o Brasil, que tentará recorrer da decisão.
A Rússia colocará em vigor no dia 1º de janeiro de 2011 uma norma contra o uso de carne de frango congelada que na prática funcionará como uma barreira não-tarifária contra as importações de países como os Estados Unidos e o Brasil. A medida foi confirmada na última quarta- feira pelo chefe do Serviço Federal de Direitos do Consumidor e Bem-estar Humano, Gennady Onishchenko, em entrevista à agência de notícias estatal RIA Novosti.

A princípio, os exportadores entendem que apenas o uso da carne congelada para o processamento em alimentos de frango será vetada, mas a entrevista de Onishchenko lançou dúvida se todo o comércio de frango congelado pode ser proibido. "É bem-vinda a importação de frango, mas só resfriado, e não congelado", afirmou à agência.

De uma forma ou de outra, a medida impactará parcial ou totalmente as exportações brasileiras, que entre janeiro e setembro somaram US$ 189 milhões em frango congelado. O frango resfriado é considerado de maior qualidade, mas tem durabilidade inferior ao tempo de viagem dos navios à Rússia, demais de 40 dias.

O argumento russo é que o congelamento e recongelamento tira propriedades nutricionais e sanitárias da carne de frango.

"Estamos nos unindo aos EUA e à União Europeia para contestar tecnicamente a decisão", diz o diretor de mercados da União Brasileira de Avicultura (Ubabef), Ricardo Santin.

A notícia foi confirmada duas semanas depois de o primeiro ministro russo Vladimir Putin afirmar que o país não precisaria importar carne de frango em 2011. A Rússia está empenhada em reduzir sua dependência dos alimentos importados, situação agravada ainda mais neste ano por conta da seca que dizimou a produção de trigo e fez os preços globais dos grãos dispararem.

A produção doméstica de frango na Rússia tem crescido, mas há ceticismo quanto à autossuficiência.

"Esta medida é mais uma tentativa de estimular a produção local, mas a Rússia não pode se dar ao luxo de ficar sem importar", avalia o analista de mercado avícola da consultoria Safras &Mercado, Fernando Iglesias. Para Santin, a medida causará dificuldades até mesmo para a produção local, uma vez que há muitas localidades isoladas nas quais o frango resfriado pode não chegar.

Até setembro, a Rússia foi o destino de apenas 4,5% das exportações brasileiras de frango in natura, apesar de uma recuperação sobre os 2,2% de 2009.

Países como a China e o próprio Brasil poderiam absorver esse volume, acredita Iglesias.
Tags:
Fonte: Brasil Econômico

Nenhum comentário