Em julho, IBGE prevê safra de grãos 2,6% maior que a de 2013

Publicado em 07/08/2014 09:14 334 exibições

A sétima estimativa da safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas totalizou 193,2 milhões de toneladas, 2,6% superior à obtida em 2013 (188,2 milhões de toneladas), 0,3% maior na comparação com o levantamento de junho de 2014 (192,5 milhões de toneladas). A estimativa da área a ser colhida em 2014, 56,2 milhões de hectares, apresentou acréscimo de 6,4% frente à área colhida em 2013 (52,9 milhões de hectares) e decréscimo de 0,1% em relação ao mês anterior (56,3 milhões de hectares). Arroz, milho e soja, os três principais produtos deste grupo, somados, representaram 91,1% da estimativa da produção e responderam por 85,0% da área a ser colhida. Em relação ao ano anterior, houve acréscimos de 0,3% na área para o arroz, 8,6% para a soja e diminuição de 0,7% para o milho. No que se refere à produção, os acréscimos foram de 4,4% para o arroz e de 6,0% para a soja. Para o milho, houve diminuição de 4,4% quando comparado a 2013.

Regionalmente, o volume da produção de cereais, leguminosas e oleaginosas apresentou a seguinte distribuição: Centro-Oeste, 80,5 milhões de toneladas; região Sul, 72,9 milhões de toneladas; Sudeste, 17,3 milhões de toneladas; Nordeste, 17,3 milhões de toneladas; e Norte, 5,1 milhões de toneladas. Comparativamente à safra passada, foi constatado incremento de 3,5% na região Norte, de 44,8% na Nordeste e de 2,6% na Centro-Oeste. As regiões Sul e Sudeste apresentaram, respectivamente, diminuição de 0,2% e 12,4% em relação à produção do ano anterior. Nessa avaliação para 2014, o Mato Grosso liderou como maior produtor nacional de grãos, com uma participação de 24,2%, seguido pelo Paraná (18,5%) e Rio Grande do Sul (15,9%), que, somados, representaram 58,6% do total nacional previsto.

Destaques na estimativa de julho em relação a junho de 2014

Em julho, destacaram-se as variações nas seguintes estimativas de produção, comparativamente a junho: milho 2ª safra (2,2%), café canephora (-0,2%), café arábica (-0,2%), milho 1ª safra (-0,9), algodão herbáceo (-0,9%), sorgo (-1,3%), feijão 3ª safra (-2,1%) e feijão 1ª safra (-4,0%).

ALGODÃO HERBÁCEO (em caroço) – A expectativa da produção para julho foi de 4,3 milhões de toneladas, queda de 0,9% em relação ao mês anterior, reflexo do reajuste nas áreas plantadas dos dois maiores produtores do país, Mato Grosso (-1,2%) e Bahia (-0,8%). O rendimento médio nacional manteve-se estável em relação ao mês anterior com estimativa de 3.781 kg/ha. Goiás, terceiro maior produtor, apresentou incremento de 0,9% motivado pela elevação de 1,1% na área plantada.

CAFÉ (em grão) – A estimativa de julho alcançou 2,7 milhões de toneladas, 0,2% menor que no mês anterior. A produção esperada do café arábica ficou em 1.975.664 toneladas ou 32,9 milhões de sacas de 60 kg, redução de 0,2% em relação a junho, com quedas de 0,1% em Minas Gerais, 1,5% no Paraná e 5,2% no Rio de Janeiro. Quanto ao café canephora, a safra em julho foi de 755.764 toneladas ou 12,6 milhões de sacas de 60 kg, queda de 0,2% em relação a junho, com destaque para Rondônia, que caiu 1,8% e deve colher 81.757 toneladas.

FEIJÃO (em grão) total – A estimativa indica diminuição de 2,1% na produção e aumento de 0,1% na área plantada em relação a junho. Os maiores produtores são Paraná, com 23,9%, Minas Gerais, com 17,0% e Bahia, com 9,1% de participação na produção nacional. O Paraná aumentou a área plantada em 3,2% e diminuiu a estimativa do rendimento médio em 4,5%, com isso, a estimativa de produção é 1,5% menor que a de junho, ficando em 831.384 toneladas. Minas Gerais prevê uma redução na área plantada de 0,2% e de 1,0% na produção, já que para o rendimento médio foi estimada redução de 0,6%. Bahia reapresentou os dados do mês anterior.

FEIJÃO (em grão) 1ª Safra – A 1ª safra de feijão está estimada em 1.557.624 toneladas, uma queda de 4,0% frente a junho. Este resultado é reflexo da diminuição de 2,8% na estimativa do rendimento médio e de 1,0 na área plantada. Os maiores produtores são Paraná (27,1%), Minas Gerais (13,0%) e Ceará (9,4%). A diminuição estimada para este mês foi influenciada pelo Ceará, que estimou diminuição de 5,2% na sua área plantada, de 25,9% no rendimento médio, devido à estiagem, o que resultou na redução de 29,9% na expectativa de produção.

FEIJÃO (em grão) 3ª Safra – Apesar do aumento de 1,3% na estimativa do rendimento médio, a expectativa de produção diminuiu 2,1%, acompanhando a diminuição da área plantada que foi de 3,4% em relação à junho. Minas Gerais, maior produtor com 48,7% da produção nacional, indica redução na área plantada (-1,2%), no rendimento médio (-0,4%) e na produção (-1,6%), em relação ao mês anterior. Goiás estima um aumento de 18,8% na área plantada e de 1,6% no rendimento médio, com isso, a estimativa de produção alcança 110.732 toneladas, 20,6% maior que a informada em junho.

MILHO (em grão) 1ª safra – A estimativa foi de 30,9 milhões de toneladas, 0,9% menor que em junho. A maior redução ocorreu no Ceará, onde houve reavaliação após encerramento da colheita, registrando queda devida a estiagem de 6,6% da área plantada e 27,0% do rendimento médio e reduzindo a produção do estado em 31,9%.

MILHO (em grão) 2ª safra – A estimativa foi de 46,1 milhões de toneladas, 2,2% acima da de junho. A alta foi determinada pelo acréscimo na expectativa de rendimento dos três principais produtores: Mato Grosso, Paraná e Mato Grosso do Sul. A recuperação do clima no Mato Grosso permitiu que o rendimento médio esperado subisse 2,1%, chegando a 5.268 kg/ha ou 87,8 sacas 60kg/ha. Paraná teve elevação da expectativa de rendimento médio passando para 5.369 kg/ha ou 89,5 sacas/ha, 2,7% maior em comparação com o mês de junho. Mato Grosso do Sul apresentou incremento de 1,6%, registrando estimativa de 5.000 kg/ha ou 83,3 sacas/ha.

SORGO (em grão) – A estimativa de julho chega a 1.869.540 toneladas, indicando queda de 1,3% frente ao mês anterior. As maiores quedas de produção ocorreram no Mato Grosso (-8,6%), Mato Grosso do Sul (-8,3%) e Ceará (-14,4%). Em Goiás, maior produtor do país e responsável por 40,7% da produção, a estimativa alcançou 760.055 toneladas, aumento de 1,1% em relação ao mês anterior. Nesse estado, embora a área plantada e a ser colhida em 2014 esteja aumentando 6,4%, o rendimento esperado está caindo 4,9%, reflexo do clima seco, que também está derrubando a produção e o rendimento no Mato Grosso em 8,6% e 6,4%, respectivamente. Em Minas Gerais, segundo maior produtor e responsável por 27,7% do total, a estimativa cresceu 0,4%, apesar do rendimento esperado ter caído 1,9%. A área plantada e a ser colhida aumentou 2,4%, reflexo do esforço dos produtores que nos últimos anos têm ampliado investimentos nas lavouras desse cereal.

Estimativa de julho de 2014 em relação à produção obtida em 2013

Dentre os 26 principais produtos, 18 apresentaram variação percentual positiva na estimativa de produção em relação ao ano anterior: algodão herbáceo em caroço (25,4%), arroz em casca (4,4%), aveia em grão (6,8%), batata-inglesa 1ª safra (7,3%), batata-inglesa 2ª safra (1,1%), cacau em amêndoa (4,3%), café em grão – canéfora (16,7%), cana-de-açúcar (0,3%), cebola (7,9%), cevada em grão (6,4%), feijão em grão 1ª safra (42,7%), feijão em grão 2ª safra (10,6%), laranja (0,9%), mamona em baga (176,5%), mandioca (10,4%), soja em grão (6,0%), trigo em grão (37,3%) e triticale em grão (3,0%). Com variação negativa foram oito produtos: amendoim em casca 1ª safra (19,3%), amendoim em casca 2ª safra (16,8%), batata-inglesa 3ª safra (3,9%), café em grão – arábica (13,1%), feijão em grão 3ª safra (12,2%), milho em grão 1ª safra (9,6%), milho em grão 2ª safra (0,7%) e sorgo em grão (9,8%).

 

Tags:
Fonte:
IBGE

0 comentário