Expectativas para o trigo da Argentina só crescem; país pode ser bastante competitivo

Publicado em 02/01/2017 10:36 146 exibições

A expectativa de uma colheita abundante de trigo para a Argentina só aumentou quando a Bolsa de Cereais de Buenos Aires (BCBA) também aumentou as suas perspectivas.

A BCBA - que com uma estimativa da produção de trigo argentina de 12,5 milhões de toneladas em 2016/17 fez parte das previsões mais negativas - aumentou sua estimativa para a colheita, agora de 15 milhões de toneladas.

A atualização - que ficou acima das previsões do Conselho Internacional de Grãos e do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), mas permaneceu abaixo da estimativa da semana passada do próprio Ministério da Agroindústria da Argentina - refletiu uma avaliação melhor da área semeada.

Os resultados preliminares de imagens de satélite "incluíram uma área maior plantada com trigo" nesta temporada, com a estimativa aumentada em 400 mil hectares, chegando assim a 4,7 milhões de hectares.

As estimativas de área foram feitas nas regiões compreendendo o sudeste da província de Buenos Aires e o Núcleo Norte, no cinturão do trigo, onde a estimativa do plantio foi aumentada por 230.000 hectares, alcançando 730.000 hectares.

'Impacto positivo'

O aumento no plantio reflete "uma mudança no regulamento, que gerou um impacto positivo nas intenções de plantar o cereal", disse a BCBA, uma referência à suspensão por parte do novo governo de tarifas de exportação e controles de volume do trigo.

No entanto, apesar das estimativas crescentes para a produção, com a Argentina tendo maior probabilidade de registrar sua maior colheita em seis anos, os suprimentos do país sul-americano não foram oferecidos desta vez a um leilão da Gasc, órgão do Egito, que é o principal país importador de trigo.

Das 11 cargas oferecidas à Gasc, todas vieram do Mar Negro, principalmente da Rússia, que tem dominado as vendas para o órgão em 2016/17.

No leilão anterior da Gasc, na semana passada, foram oferecidas duas cargas de trigo argentino - ambas compradas pelo órgão, com o baixo custo das ofertas compensando o aumento dos custos de frete do transporte do grão por meio do Atlântico.

A Argentina pode ser competitiva?

O fracasso de oferecer trigo argentino desta vez pode ser uma indicação de que o país não tem pressa de receber os lucros de uma boa colheita de trigo.

"O baixo preço do trigo oferecido no último leilão foi um bom anúncio de que a Argentina pode competir", disse um trader britânico ao site Agrimoney.

"Mas pode ser que a Argentina tenha vendido o suficiente por agora e não queira continuar com o preço mais baixo."

Acredita-se que o trigo argentino também tenha tido uma ordem por parte da Argélia de 490 mil toneladas há duas semanas, o que teria influenciado a não-participação no leilão, além de ser o fornecedor padrão do cereal para o Brasil.

Tradução: Izadora Pimenta

Fonte:
Agrimoney

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário