Conab estima produção nacional de grãos em 241,3 milhões de toneladas

Publicado em 08/08/2019 18:50
1284 exibições

Os números atualizados da safra 2018/2019 de grãos, divulgados nesta quinta-feira (8) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), confirmam a produção recorde para este ano. O país deverá colher 241,3 milhões de toneladas, o que representa um crescimento de 6% ou 13,7 milhões de t se comparado à safra anterior. A área plantada está prevista em 63 milhões de hectares, com um aumento de 2% sobre o mesmo período.

A produção do milho primeira safra deve ficar em 26,2 milhões de t, uma redução de 2,1% sobre a safra passada. A colheita encerrou-se na região Centro-Sul e segue ocorrendo nas regiões Norte e Nordeste. Quanto ao milho segunda safra, terá uma produção recorde de 73,1 milhões de t, 35,6% a mais em relação à safra de 2017/18. A colheita foi intensificada e agora estende-se a 84% da área plantada. A soja sofreu uma redução de 3,5% na produção e atingiu 115,1 milhões de t. As regiões Centro-Oeste e Sul representam mais de 78% dessa produção.

O feijão primeira safra, cuja colheita já foi encerrada, teve uma redução de 22,5% na produção e deve chegar a 996,4 mil t. Isso foi causado principalmente pela diminuição de área e produtividade no Paraná, Minas Gerais e Bahia. O de segunda safra, onde a colheita está em fase final, teve um clima favorável que contribuiu para uma produção de 1,3 milhão de t, 7,2% acima da obtida no período anterior. O feijão terceira safra também teve aumento de 20,5% e deve ter uma produção de 739,6 mil t. O plantio foi finalizado em julho.

O país deverá colher também 4 milhões de algodão em caroço e 2,7 milhões de pluma, 34,2% a mais do que na safra anterior. Enquanto o trigo tem produção estimada em 5,4 milhões de t, o arroz deve ficar em 10,4 milhões de t, um recuo de 13,6%. O estudo aponta como causa as reduções de área do cereal ocorridas nos principais estados produtores. 

Área – As culturas que tiveram aumento de área, em relação à safra passada, foram o milho segunda safra, com área total de 12,4 milhões de hectares, a soja com 35,9 milhões e algodão com 1,6 milhão de hectares. Em relação às culturas de inverno, para o trigo, estima-se uma área de 1,99 milhão de hectares, 2,6% menor que em 2018. As demais culturas (aveia, canola, centeio, cevada e triticale) apresentam incrementos na área de plantio, passando de 546,5 mil hectares, na safra anterior, para 552,2 mil hectares na safra atual. De acordo com o levantamento, as geadas ocorridas no início de julho, sobretudo no Paraná, demandam maior monitoramento das lavouras.

Clique aqui para acessar o boletim.

Conab eleva previsões de safra e exportações de milho do Brasil para recordes em 2018/19

LOGO REUTERS

Por Roberto Samora

SÃO PAULO (Reuters) - A exportação de milho pelo Brasil deverá atingir um recorde de 34,5 milhões de toneladas, estimou nesta quinta-feira a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), ante 33,5 milhões na projeção divulgada em julho.

Os embarques do cereal do Brasil estão aquecidos neste ano, com o país contando com uma safra recorde de milho, de 99,3 milhões de toneladas, projetou a Conab nesta quinta-feira, também elevando sua projeção ante julho (98,5 milhões).

A Conab manteve praticamente estável a safra de soja, já colhida, em cerca de 115 milhões de toneladas, mas elevou a previsão das exportações da oleaginosa na temporada de 68 milhões para 70 milhões de toneladas.

A exportação de soja deverá cair ante o recorde de mais de 83 milhões de toneladas da temporada passada, quando o Brasil foi beneficiado por uma safra recorde (119,3 milhões) e forte demanda da China.

Apesar da redução anual, a safra de soja ainda será a segunda maior da história, o que juntamente com a produção de milho permitirá ao Brasil ter uma colheita recorde de grãos e oleaginosas, de 241,3 milhões de toneladas, o que representa um crescimento de 6% ante o ciclo anterior.

"O clima no início da safra contribuiu decisivamente para o avanço do plantio. A continuidade dessas boas condições impactou positivamente o estabelecimento das lavouras de segunda safra, proporcionando excelente ritmo para o cultivo, nos principais Estados produtores", disse a Conab em relatório, em referência à produção de milho, plantado majoritariamente na segunda safra.

Além do milho, que deverá ter forte recuperação ante as 80,7 milhões de toneladas da temporada anterior, afetada pela seca, a produção de algodão em 2018/19 atingirá históricos 2,7 milhões de toneladas (pluma), cerca de 700 mil toneladas a mais que no período passado.

A exportação da pluma será recorde de 1,5 milhão de toneladas, mais de 500 mil toneladas acima da temporada passada.

O Brasil é o maior exportador global de soja, e o segundo em milho e algodão. No caso da pluma, esse posto foi atingido na última safra.

Para o trigo, atingido por geadas em julho e agosto, a Conab estimou a safra em 5,42 milhões de toneladas, com leve redução ante o mês anterior. As importações do cereal pelo Brasil, um dos maiores importadores globais, foram mantidas em 7,2 milhões de toneladas em 2019.

(Por Roberto Samora)

Veja também: Em julho, IBGE prevê alta de 5,8% na safra de 2019

Tags:
Fonte: Conab

0 comentário