Publicidade
HOME VÍDEOS NOTÍCIAS DADOS DA SAFRA METEOROLOGIA FOTOS

StoneX eleva número de exportação de soja do Brasil, faz corte de 8 mi t para milho

Publicado em 01/06/2021 13:53 e atualizado em 01/06/2021 15:25 186 exibições

LOGO REUTERS

O Brasil deverá exportar um volume recorde de soja em 2021, estimado em 85,5 milhões de toneladas, apontou nesta terça-feira a consultoria StoneX, que elevou a projeção em 500 mil toneladas ante a estimativa do mês anterior.

A projeção considera também uma maior oferta após redução temporária na mistura de biodiesel no diesel, o que impactou o processamento.

No ano anterior, o Brasil exportou cerca de 83 milhões de toneladas de soja.

A StoneX ainda manteve sua projeção de safra de soja em históricas 135,7 milhões de toneladas, ante 124,5 milhões no ano passado.

Segundo avaliação do grupo, o resultado poderia ter sido ainda mais elevado caso o clima não fosse mais seco nos primeiros meses do ciclo, afetando o potencial produtivo em Estados importantes.

"Mesmo com esse recorde, a situação do balanço de oferta e demanda mundial da oleaginosa não está folgada, com a nova safra dos EUA no centro das atenções", disse a especialista de inteligência de mercado, Ana Luiza Lodi, em nota.

A empresa de análises elevou a estimativa de importação de soja pelo Brasil para 600 mil toneladas em 2021, apesar de ter reduzido o consumo interno em 500 mil toneladas, para 47,5 milhões de toneladas.

Publicidade

MILHO

A consultoria também divulgou projeções menores para a segunda safra de milho do país, agora estimada em 62 milhões de toneladas, devido à seca.

Isso representa queda de 14,7% em relação ao número de maio e de 17,1% em comparação à safra anterior.

Mesmo diante de um cenário de significativa retração na disponibilidade do cereal no Brasil e em um quadro de preços muito fortalecidos, a demanda doméstica por milho segue firme, destacou a StoneX em nota.

Apesar da leve redução na estimativa de consumo interno da StoneX, para 71,5 milhões de toneladas, o volume ainda seria um recorde.

Já a importação do cereal foi elevada para 2,5 milhões de toneladas, enquanto as exportações foram reduzidas para 21 milhões, ante 29 milhões na previsão de maio.

"Ambas as alterações são reflexos da combinação entre a menor oferta de milho do país e os elevados preços pedidos pelo grão", disse.

Fonte:
Reuters

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

1 comentário

  • Geraldo Emanuel Prizon Coromandel - MG

    Será que o USDA e a Conab terão coragem de cortar 14 milhões de toneladas das exportações brasileiras em seus relatórios de oferta e demanda??!!!.

    2
    • Rodrigo Polo Pires Balneário Camboriú - SC

      Os analistas da Conab e seus informantes serão obrigados a isso, na produção o vexame será ainda maior, pois a discrepancia entre a Conab e Stone X é de mais de 17 mi de ton. Agora, não custa lembrar, em outros tempos os estoques de soja da Conab deram cria, de um mes para outro aumentaram 5 mi de ton de soja, a Conab não brinca em serviço, não é mesmo?

      2
    • Rodrigo Polo Pires Balneário Camboriú - SC

      É por isso que sempre pergunto, a agropecuária brasileira tem necessidade de gastar 5 bilhões de reais por ano com a Conab e sustentar apaniguados de politicos? E mais, a agropecuária brasileira precisa dessa bancada chamada ruralista que está em Brasilia? Para assinar subvenções, planos safras e apoiar o socialismo da maneira mais torpe que existe?

      3