MS importou 180 mil toneladas de frutas em 2012

Publicado em 25/01/2013 11:29 831 exibições
Apenas 11% do consumo total de frutas em Mato Grosso do Sul vem da produção local. Para atender a demanda de mercado interno, o Estado precisou importar, em 2012, 180 mil toneladas de frutas. As informações sobre custo de implantação, estrutura e rentabilidade da produção das culturas da banana, abacaxi, goiaba, maracujá, caqui, figo e uva estão sendo repassadas aos visitantes da Showtec, em Maracaju (MS). A ação faz parte de uma iniciativa do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar/MS ), do Sistema Famasul, e conta com apoio da Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural (Agraer).

“Os produtores interessados em investir na atividade tem mercado garantido. Muitas das culturas tem rendimento que supera o investimento já na primeira colheita”, explica o educador do Senar/MS, Antonio Minari Junior. No espaço destinado à fruticultura, o visitante recebe informações sobre preço de implantação por hectare e a estimativa de receita de cada tipo de fruta, além de dados sobre a estrutura necessária, as variedades mais adequadas para região e a periodicidade de colheita.

Para a cultura do abacaxi o investimento é de R$ 18 mil reais por hectare, incluindo nesse montante valores para aquisição de mudas, sistema de irrigação, insumos como calcário, fertilizantes e defensivos e o serviço de preparo de solo, adubação e plantio. A colheita do fruto rende, por hectare, R$ 42 mil reais, com produção média de 28 mil frutos de primeira qualidade, com preço de mercado de R$ 1,30 real e 7 mil frutos com valor de R$ 0,70.

O Showtec 2013 tem como tema a “Diversificação do Agro para um Brasil Melhor”e acontece de 23 a 25 de janeiro, na sede da Fundação MS em Maracaju (MS). Essa é a 17a. edição da Feira, realizada pela Fundação MS e promovida pelo Sistema Famasul – Federação da Agricultura e Pecuária de MS, Sistema OCB/MS – Organização das Cooperativas Brasileiras, e Aprosoja/MS – Associação de Produtores de Soja de MS.
 O evento, que tem entrada franca, tem como apoiadores o Governo do Estado de MS, por meio da Fundems – Fundo para o Desenvolvimento das Culturas de Milho e Soja, da Seprotur – Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agrário, da Produção, da Indústria, do Comércio e do Turismo, da Agraer – Agencia de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural, Fundect - Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia, Embrapa, Sebrae, Biosul, Sicredi, Prefeitura de Maracaju, Crea-MS, Aeams e Fundação Agrisus.
Tags:
Fonte:
Sato Comunicação

0 comentário