Caminhoneiros afirmam que greve foi ato de "desespero" e Abiove nega criar preço do frete

Publicado em 26/01/2017 06:44 e atualizado em 26/01/2017 08:23
312 exibições

A paralisação em Rondonópolis de seis dias foi o “desespero” do transporte de cargas graneleiro de Mato Grosso diante o baixo valor de frete. A tonelada para um trecho de 600 km estava na casa dos R$ 70 com 5% da safra de soja colhida, mesmo valor praticado nos últimos meses de 2016. Durante reunião entre os transportadores, setor produtivo, comerciantes/processadores e o Governo de Mato Grosso na manhã desta quarta-feira, 25 de janeiro, a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) isentou-se de discutir o valor do frete atribuindo à situação vivida há três anos pelos caminhoneiros a questões de políticas públicas.

Caminhoneiros, autônomos e empresários do setor do transporte fecharam a BR-364 em Rondonópolis em dois pontos entre os dias 13 e 18 de janeiro. O movimento só foi encerrado mediante a garantia de uma reunião com os governos Federal e Estadual.

No próximo dia 31 de janeiro o setor, juntamente com o vice-governador de Mato Grosso, Carlos Fávaro, e o senador José Medeiros irão se reunir com o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha.

Nesta quarta-feira, 25, um encontro foi realizado em Cuiabá com a presença dos transportadores, Governo do Estado, Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT), Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato) e a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), que representa as tradings e processadores de grãos (indústria).

Leia a notícia na íntegra no site Olhar Direto.

Fonte: Olhar Direto

0 comentário