Presidente da CNA defende adoção de regras de preservação de APPs por outros países

Publicado em 21/03/2012 11:56 607 exibições
A presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), senadora Kátia Abreu, defendeu nessa terça-feira (20/3) que outros países adotem regras para a proteção das margens de rios, nascentes e áreas de recargas de aqüífero, como ocorre no Brasil, em locais considerados Áreas de Preservação Permanente (APPs), para garantir a proteção dos recursos hídricos. O tema foi abordado em pronunciamento no Senado, quando relatou a apresentação desta proposta durante a participação da CNA no 6º Fórum Mundial da Água, na semana passada, em Marselha, na França. No discurso, ela sugeriu que as discussões sobre a proteção das APPs em nível mundial sejam intensificadas na Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio + 20), em junho, no Brasil.

“No Fórum Mundial da Água, as discussões estiveram voltadas para a democratização do uso da água, mas pouco se falou sobre a proteção dos locais que garantem a qualidade da água. Por isso apresentamos essa proposta e queremos outros países sigam o exemplo brasileiro”, afirmou. Segundo a senadora, mesmo com uma das legislações ambientais mais rigorosas do mundo, o Brasil consegue destaque na produção mundial e dá exemplo também de preservação ambiental e de seus recursos hídricos, possuindo 12% de toda a água doce do planeta. “Não queremos culpar outros países por não preservarem suas margens de rios e nascentes. Todos os países cometeram erros e têm suas imperfeições. Mas este é um momento oportuno para se corrigir erros do passado e garantir a preservação e uso eficiente dos recursos naturais”, enfatizou.

A presidente da CNA também defendeu que a proposta de atualização do Código Florestal seja aprovada pela Câmara dos Deputados e sancionada pela presidente da República, Dilma Rousseff, antes da Rio + 20, para dar segurança jurídica ao setor agropecuário. “Não temos nada a esconder do mundo. Ao contrário, temos lição para dar ao mundo, pois temos uma das maiores e melhores agriculturas do planeta e ainda preservamos 61% de todas as nossas florestas, de todos os nossos biomas nativos”, disse a senadora Kátia Abreu, reforçando que o produtor rural brasileiro é o maior interessado na preservação do meio ambiente e da água. “Não há como produzir sem equilíbrio ecológico”, completou.
Fonte:
CNA

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário