NASA analisa focos de queimadas na Amazônia

Publicado em 23/08/2019 10:52 e atualizado em 23/08/2019 11:40
625 exibições

“O espectrorradiômetro de resolução moderada (MODIS) do satélite Aqua da NASA registrou imagens de vários incêndios ocorridos nos estados de Rondônia, Amazonas, Pará e Mato Grosso em 11 de agosto e 13 de agosto de 2019.

queimadas nasa

Na região amazônica, os incêndios são raros na maior parte do ano porque o clima úmido impede que eles comecem e se espalhem. No entanto, em julho e agosto, a atividade normalmente aumenta devido à chegada da estação seca.

Muitas pessoas usam o fogo para manter terras cultiváveis ​​e pastagens ou para limpar a terra para outros fins. Normalmente, o pico de atividade no início de setembro e principalmente até o mês de novembro.

queimadas nasa 2

A partir de 16 de agosto de 2019, observações por satélite indicaram que a atividade total de incêndio na bacia amazônica estava ligeiramente abaixo da média em comparação com os últimos 15 anos.

Com informações da Nasa: https://earthobservatory.nasa.gov/images/145464/fires-in-brazil

- Tradução do site RadarDF

Em live, Bolsonaro insiste em 'queimadas criminosas' e critica Macron

Em live no Facebook nesta 5ª feira (22.ago.2019), o presidente Jair Bolsonaro insistiu em dizer que as queimadas na Amazônia foram criminosas. No entanto, não apresentou evidências do crime. Como única providência, o presidente pediu que quem vive na região mandem informações sobre "qualquer origem" dos fogos para o Twitter do ministro Augusto Heleno (GSI). Segundo ele, pessoas do gabinete, da Abin e outras inteligências da União acompanharão os comentários e buscarão tomar providências. "Temos inimigos aqui dentro", afirmou. "Denuncie e bote aqui", pediu. Bolsonaro também criticou indiretamente o presidente da França, Manoel Macron, ao dizer que 1 país mencionou a região amazônica, "com desfaçatez", como "a nossa Amazônia". Bolsonaro distorceu a fala do francês, que falou "nossa casa", em publicação no Twitter mais cedo, em referência ao planeta Terra.

Fonte: Canal Poder360

Alexandre Garcia sobre o interesse externo em apenas uma parte da Amazônia

 

Fonte: Canal no Youtube do presidente Jair Bolsonaro

Comandante do Exército alerta "incautos" e diz que Brasil está pronto a defender Amazônia

LOGO REUTERS

(Reuters) - O Exército está preparado para defender a Amazônia, disse nesta sexta-feira o comandante do Exército, general Edson Leal Pujol, em um momento em que cresce a pressão internacional por causa do aumento das queimadas na floresta, com líderes do G7, grupo do qual o Brasil não faz parte, afirmando que discutirão o tema neste fim de semana.

"Aos incautos que insistem em tutelar os desígnios da brasileira Amazônia, não se enganem, os soldados do Exército de Caxias estarão sempre atentos e vigilantes, prontos para defender e repelir qualquer tipo de ameaça", disse o comandante em discurso durante cerimônia do Dia do Soldado com a presença do presidente Jair Bolsonaro em Brasília.

(Por Eduardo Simões)

Agronegócio não pode ser culpado por queimadas, barreiras não se justificariam, diz ministra

LOGO REUTERS

BRASÍLIA (Reuters) - As notícias sobre as repercussões das queimadas na Amazônia preocupam, mas o agronegócio não pode ser culpado pelo problema, assim como eventuais barreiras comerciais aos produtos agrícolas brasileiros não se justificariam, disse nesta sexta-feira a ministra da Agricultura, Tereza Cristina.

"Vamos para ação, vamos ver quem está queimando, vamos punir quem precisa ser punido, quem está fazendo a coisa errada. Mas não podemos dizer que, porque neste momento nós temos um incêndio acontecendo ou uma queimada acontecendo na Amazônia, que o agronegócio brasileiro é o grande destruidor..." disse Tereza a jornalistas, ao ser questionada após evento no ministério.

Segundo ela, dessa forma, eventuais barreiras comerciais contra os produtos agrícolas do Brasil não se justificariam.

"Também tem uma parte ideológica, que eu acho que a gente precisa separar. E nós brasileiros temos a obrigação de defender o Brasil."

(Por Isabel Versiani)

Fonte: NASA

0 comentário