Milho: Preços registram nova queda e setembro/14 chega a US$ 3,55/bu

Publicado em 01/08/2014 09:47 361 exibições

Na sessão desta sexta-feira (01), os futuros do milho negociados na Bolsa de Chicago (CBOT) trabalham em queda. As principais posições da commodity dão continuidade às perdas e, por volta das 9h35 (horário de Brasília) exibiam baixas entre 1,75 e 2,00 pontos. O vencimento setembro/14 era cotado a US$ 3,55 por bushel.

Segundo informações da agência internacional de notícias Bloomberg, os preços do cereal registram a sexta semana em queda, o mais longo declínio desde julho de 2011. Somente no mês de julho, as cotações recuaram cerca de 14%.

O mercado permanece precificando a expectativa de ampla oferta nos próximos meses, a partir da colheita da safra 2014/15 dos EUA. Com o clima favorável ao desenvolvimento das lavouras, a projeção é que os produtores norte-americanos colham em torno de 353,97 milhões de toneladas do grão, conforme dados do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos). 

Veja como fechou o mercado nesta quinta-feira:

Milho: Mercado fecha pregão em campo negativo e registra terceiro mês consecutivo de perdas em Chicago

As principais posições do milho negociadas na Bolsa de Chicago (CBOT) fecharam a sessão desta quinta-feira (31) do lado negativo da tabela. Os vencimentos da commodity exibiram perdas entre 3,75 e 4,75 pontos. O contrato setembro/14 registrou queda de 1,3% e fechou o dia cotado a US$ 3,57 por bushel. 

Contabilizando o pregão de hoje, os preços do milho acumulam perdas de 14%, somente no mês de julho e caminham para a terceira queda mensal desde o mês de setembro de 2011, conforme dados reportados pela agência internacional de notícias Bloomberg. A expectativa de ampla oferta nos próximos meses, a partir da colheita da safra norte-americana, permanece sendo o principal fator de pressão sobre o mercado internacional.

Os produtores dos Estados Unidos deverão colher em torno de 353,97 milhões de toneladas de milho na safra 2014/15, segundo projeção do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos). E, por enquanto, o clima favorável, tem dado suporte para essa estimativa. 

Além disso, as previsões climáticas indicam que as chuvas deverão aumentar durante o mês de agosto, após as recentes preocupações com a seca em algumas localidades do Centro-Oeste do país. "O clima é perfeito nas áreas de cultivo do Centro-Oeste dos EUA, o que significa que altos rendimentos são antecipados", afirmou o analista do Commerzbank AG, Carsten Fritsch, em entrevista à Bloomberg. "O que é mais, a chuva está prevista para os próximos dias, o que deve dissipar quaisquer receios de que o rendimento das culturas pode ser prejudicada por condições excessivamente secas", completa.

Com isso, as lavouras norte-americanas permanecem registrando as melhores condições desde 2004. Até a última semana, em torno de 75% das plantações registravam boas ou excelentes condições, conforme dados do USDA.

Vendas para exportação

Nesta quinta-feira, o USDA reportou novo boletim de vendas para exportação. Até a semana encerrada no dia 24 de julho, as vendas de milho referentes à safra 2013/14 totalizaram 173,9 mil toneladas, número pouco abaixo do registrado anteriormente, de 291,5 mil toneladas.

A Coreia do Sul foi o principal comprador do produto norte-americano, com 136,6 mil toneladas. Para a safra 2014/15, as vendas somaram no mesmo período 1.093,2 milhão de toneladas do milho, também inferior ao reportado na semana anterior, de 1.143,2 milhão de toneladas. Com a aquisição de 431,5 mil toneladas, o México foi o principal destino do produto.

Segundo analistas, as exportações pouco abaixo dos volumes registrados na semana anterior também contribuíram pressionar os preços. Até o momento, no acumulado no ano safra, as vendas somam 48.615,0 milhões de toneladas, contra 48.260,0 milhões de toneladas projetadas pelo departamento norte-americano.

Tags:
Por:
Fernanda Custódio
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário