Com dados do financeiro, milho tenta segurar ganhos no pregão desta 2ª feira em Chicago

Publicado em 21/11/2016 11:54 74 exibições

Durante o pregão desta segunda-feira (21), os futuros do milho negociados na Bolsa de Chicago (CBOT) mantêm o tom positivo. As principais posições da commodity exibiam ligeiros ganhos entre 0,25 e 1,25 pontos, por volta das 11h44 (horário de Brasília). O dezembro/16 trabalhava a US$ 3,46 por bushel, enquanto o março/17 operava a US$ 3,54 por bushel. O maio/17 era negociado a US$ 3,602 por bushel.

De acordo com informações da Labhoro Corretora, os mercados de commodities são influenciados pelos dados vindos do cenário macroeconômico. A queda do dólar índex e a alta registrada nos preços do petróleo dão o tom às cotações. Por sua vez, o petróleo subia mais de 2,5% na tarde desta segunda-feira na Bolsa de Nova York, cotado a US$ 47,63 o barril.

Conforme dados divulgados pelo site Investing.com, a alta do petróleo é decorrente da expectativa de que haja uma forma de limitar a produção mundial na reunião marcada para o final desse mês. Ainda conforme dados do portal, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, "vê uma 'alta probabilidade' de se chegar a um acordo para frear a produção de petróleo na reunião marcada para o fim de novembro".

Do lado fundamental, o mercado segue sem novidades. No caso da oferta, os investidores aguardam o boletim de acompanhamento de safras do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos), que trará os números da finalização da colheita do cereal no país. Na semana passada, cerca de 93% da área já havia sido colhida.

Os participantes do mercado também esperam pelo relatório de embarques semanais do departamento. Na semana passada, os embarques do cereal ficaram em 618,155 mil toneladas.

BM&F Bovespa

Com influência do dólar, as cotações futuras do milho negociadas na BM&F Bovespa iniciaram a semana do lado negativo da tabela. Por volta das 11h59 (horário de Brasília), os vencimentos da commodity exibiam quedas entre 0,13% e 0,80%. O contrato janeiro/17 era cotado a R$ 37,45 a saca e o maio/17 operava a R$ 36,40 a saca.

Enquanto isso, o dólar operava a R$ 3,3529 na venda, com queda de 1,01%, perto das 12h34. O câmbio acompanha o movimento da moeda norte-americana ante outras divisas no exterior, segundo dados reportados pela agência Reuters. Os investidores também seguem atentos aos desdobramentos da política brasileira.

Por:
Fernanda Custódio
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário