Milho: Bolsa de Chicago encerra a sexta-feira em baixa, mas acumula ganhos na semana

Publicado em 04/10/2019 17:02 e atualizado em 07/10/2019 09:26
414 exibições
Redução dos estoques americanos na terça-feira sustentaram alta semanal

LOGO nalogo

A semana chega ao final com desvalorizações para os preços internacionais do milho futuro na Bolsa de Chicago (CBOT). As principais cotações registraram quedas entre 2,75 e 4,00 pontos nesta sexta-feira (04).

O vencimento dezembro/19 foi cotado à US$ 3,84 com desvalorização de 4 pontos, o março/20 valeu US$ 3,97 com queda de 3,75 pontos, o maio/20 foi negociado por US$ 4,02 com perda de 3,75 pontos e o julho/20 teve valor de US$ 4,05 com baixa de 2,75 pontos.

Esses índices representaram perdas, com relação ao fechamento da última quinta-feira, de 1,03% para dezembro/19, de 0,75% para o março/20, de 0,99% para o maio/20 e de 0,74% para o julho/20.

Com relação ao fechamento da última sexta-feira (27), os futuros do milho acumularam ganhos de 3,50% no dezembro/19, 3,66% para o março/20, 2,81% para maio/20 e 2,27% para o julho/20, na comparação dos últimos sete dias.

Segundo informações da Farm Futures, os preços do milho caíram quase 1% na sexta-feira em algumas vendas técnicas e obtenção de lucros, mas os preços ainda encontraram muita tração positiva nesta semana.

“Neste momento traders começam a ocupar posições antes do relatório mensal da WASDE (WASDE) do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos), uma pesquisa com até 31 analistas espera que a agência reduza suas estimativas de rendimento de milho para 166,7 bushels por acre (174,38 sacas por hectare), para uma produção total de 13,588 bilhões de bushels (345,1 milhões de toneladas)”, aponta o analista de grãos Ben Potter.

O IEG Vantage reduziu suas estimativas de produção de milho de um mês atrás em 2,1 bushels por acre (2,19 sacas por hectare), chegando a 167,5 bushels por acre (175,2 sacas por hectare). O grupo também reduziu suas estimativas de produção de milho de 13,906 bilhões de bushels (353,2 milhões de toneladas) em setembro para 13,695 bilhões de bushels (347,8 milhões de toneladas).

Mercado Interno

No mercado físico brasileiro, a sexta-feira registrou cotações permanecendo sem movimentações, em sua maioria. Em levantamento realizado pela equipe do Notícias Agrícolas, foi registrada valorização apenas em Panambi/RS (1,50% e preço de R$ 32,52).

Já as desvalorizações foram percebidas nas praças de São Gabriel do Oeste/MS (1,64% e preço de R$ 30,00), Tangará de Serra/MT (1,89% e preço de R$ 26,00) e Sorriso/MT balcão (13,79% e preço de R$ 20,00).

De acordo com o reporte diário da XP Investimentos, o mercado de grãos encerra a semana de maneira calma.

“Nos últimos dias, as especulações de alta perderam força após a desvalorização intensa do dólar frente ao real. As indicações de porto, que subiam de maneira consecutiva e puxam os preços no mercado local, inclusive, voltaram a apresentar queda”, dizem os analistas

A nota ressalta ainda que “o fluxo de comercialização é praticamente nulo e as negociações se arrastam, visto que nem compradores e nem vendedores possuem necessidade imediata para concretizar negócios. As expectativas, agora, estão no Relatório Mensal de Oferta e Demanda do USDA que será divulgado na próxima quinta-feira (10)”.

Veja mais cotações desta sexta-feira.

Relembre outras notícias sobre o milho desta semana:

>> Milho: Apesar de disponibilidade recorde, preços seguem elevados

>> Milho fecha a segunda-feira com grandes altas impulsionadas após USDA reduzir os estoques

>> Imea indica recuperação no preço do milho em Mato Grosso

>> Média diária de exportações brasileiras de milho em setembro é 75% maior do que ano passado

>> Plantio da primeira safra de milho 2019/20 está acelerado no Sul, mas estoques preocupam

>> Brasil pode crescer exportações de frangos e suínos em até 6% como reflexo da peste suína africana na Ásia

>> Rio Grande do Sul espera clima dentro da normalidade e bons resultados para a soja e milho verão

>> Rio Grande do Sul já plantou 52% da área de milho, segundo Emater

>> Cruz Alta/RS finaliza plantio do milho e se prepara para semear a soja

Tags:
Por: Guilherme Dorigatti
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário