Milho abre a semana levemente mais alto na B3 e na CBOT

Publicado em 30/11/2020 09:15 e atualizado em 30/11/2020 11:51 397 exibições
Chicago ainda se sustenta em boas vendas de exportação

LOGO nalogo

A segunda-feira (30) começa com os preços futuros do milho pouco modificadas na Bolsa Brasileira (B3). As principais cotações registravam movimentações máximas de 0,17% por volta das 09h14 (horário de Brasília).

O vencimento janeiro/21 era cotado à R$ 78,79 com ganho de 0,24%, o março/21 valia R$ 78,65 com elevação de 0,06%, o maio/21 era negociado por R$ 74,70 com estabilidade e o julho/21 tinha valor de R$ 68,55 com estabilidade.

Na última sexta-feira, os contratos do cereal brasileiro registraram leves quedas e encerraram a semana acumulando resultados em campo misto. Nos últimos sete dias, o janeiro/21 caiu 0,17%, o março/21 perdeu 0,10%, o maio/21 subiu 0,74% e o julho/21 ganhou 2,16%.

Mercado Externo

Os preços internacionais do milho futuro abriram a semana levemente mais altos na Bolsa de Chicago (CBOT). As principais cotações registravam movimentações positivas entre 0,50 e 1,25 pontos por volta das 08h58 (horário de Brasília).

O vencimento dezembro/20 era cotado à US$ 4,26 com elevação de 0,50 pontos, o março/21 valia US$ 4,35 com valorização de 1,25 pontos, o maio/21 era negociado por US$ 4,37 com ganho de 1,00 ponto e o julho/21 tinha valor de US$ 4,37 com alta de 0,50 pontos.

Segundo informações do site internacional Successful Farming, os futuros do milho estão ligeiramente mais altos após o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) informar várias compras de milho ao longo dos últimos dias.

A publicação destaca que, os exportadores disseram que venderam 302.160 toneladas de milho dos EUA ao México para entrega durante a campanha de comercialização de 2020-2021, que começou em 1º de setembro, disse o USDA na sexta-feira.

Relembre como fechou o mercado na última sexta-feira:

>> Milho fecha a semana com mais disponibilidade e preços menores no Brasil

Tags:
Por:
Guilherme Dorigatti
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário