EUA: Nova Lei agrícola acaba com subsídios diretos para produtores

Publicado em 29/01/2014 17:48 1384 exibições

A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos aprovou a nova Lei agrícola do país (Farm Bill), que ficará em vigor pelos próximos cinco anos. Entre as principais mudanças, está o fim dos subsídios pagos diretamente aos produtores e um maior investimento em programas governamentais para o setor.    

Os subsídios concedidos aos agricultores, chamados de “pagamentos diretos”, custavam US$ 5 bilhões ao ano e eram motivo de polêmica no país, já que muitas pessoas que não exerciam mais atividades no setor continuavam a receber o benefício. 

Por outro lado, a nova Lei injeta mais recursos nos programas de seguro de safras subsidiados pelo governo. O governo paga 62% em prêmios para o programa de seguros de US$ 9 bilhões ao ano. 

Legisladores afirmam que a eliminação do pagamento direto aos agricultores garante que apenas aqueles que exercem a atividade recebam o subsídio, e apenas se forem atingidos por algum desastre, como a seca. Mas alguns grupos afirmam que o governo está apenas eliminando um subsídio para colocar outro ainda mais generoso no lugar. 

Embora muitos grupos agrícolas e pecuaristas apoiem a nova Farm Bill, muitos se dizem desapontados. 

Grupos da indústria de carne expressaram preocupação, pois a nova Lei não inclui informações sobre o adiamento de um programa de rotulagem, que deve exigir da indústria informações sobre o país de origem do produto. Eles afirmam que o processo de rotulagem é muito caro. 

Com as mudanças, o governo norte-americano espera economizar em média US$ 16,6 bilhões nos próximos 10 anos.  

Programa de alimentação
Um dos maiores impactos da nova Farm Bill será no programa nacional de alimentação, que terá uma redução de US$ 8 bilhões nos investimentos. Pelo menos 850 mil beneficiários perderão o direito ao vale-alimentação de US$ 90 mensais.

A Lei determina um aumento de US$ 200 milhões para o financiamento dos “bancos de alimentos”, embora muitos afirmem que a quantia não será suficiente para suprir o aumento na demanda por alimentos.  

Informações: NYTimes

Tradução: Fernanda Bellei

Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário