Dados oficiais comprovam que produtores protegem meio ambiente, afirmam dirigentes da Aprosoja em seminário no Matopiba

Publicado em 16/07/2019 08:53
139 exibições

Após apresentação de dados oficiais da Embrapa chancelados por estudo da Nasa, a agência espacial norte-americana, sobre produção sustentável no Brasil, produtores rurais e lideranças do setor reagiram com veemência a críticas relacionadas aos agricultores sobre a preservação do meio ambiente no país. “Nós somos produtores e protetores do meio ambiente. Além de ser economicamente viável, a soja é social. Melhora a vida das pessoas. O IDH onde não havia produção era baixo. Hoje, desenvolveu”, afirmou Bartolomeu Braz Pereira, presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Soja (Aprosoja Brasil) durante o seminário “Soja Responsável – Produzindo Com Sustentabilidade Ambiental” realizado na tarde dessa segunda-feira, dia 15, na Assembleia Legislativa do Estado, em Palmas (TO).

Sem citar nominalmente, o dirigente criticou organizações não-governamentais e empresas que tentam denegrir a imagem dos produtores brasileiros. “Estamos abertos ao debate. As entidades estão bem preparadas. Temos a parte técnica. Nós somos exemplo para o mundo. Os europeus não têm condição de falar nada de nós. Eles têm que nos valorizar. Vocês dão parte de suas propriedades para a preservação ambiental”, disse. “A Embrapa mostrou os dados. Isso aqui é ciência, não é informação vaga. É dado da Embrapa e da Nasa”, complementou.

Entre os muitos dados apresentados pelo supervisor do Grupo de Gestão Territorial Estratégica da Embrapa Territorial, Gustavo Spadotti Amaral Castro, em palestra durante o seminário, um chamou a atenção: produtores rurais brasileiros preservam mais de 219 milhões de hectares de suas propriedades, o que corresponde a R$ 2,3 trilhões em área. E mais: total de 51.576.705 de hectares no Brasil, 66,3% é dedicado a áreas de preservação e proteção de vegetação nativa, terras devolutas e imóveis não cadastrados. Desse total, 30,2% se referem a pastagens nativas, pastagens plantadas, lavouras e florestas plantadas. Já 3,5% se referem a infraestrutura, por exemplo.

Em seu pronunciamento, o presidente da Aprosoja Tocantins, Maurício Buffon, reafirmou que os produtores atuam dentro da legalidade e respeitam o Código Florestal Brasileiro. “Não vamos fugir desse debate de maneira alguma. O produtor preserva e preserva muito bem. O agro é legal, atua dentro da legalidade. Os números provam que os produtores destinam milhares de recursos para preservar”, declarou. “Respeitamos a legislação vigente, preservando 35% da área de produção nas propriedades, áreas de reservas legais. Isso mostra a responsabilidade ambiental para o desenvolvimento do agronegócio sustentável.”

MANIFESTAÇÃO DE APOIO

Durante o encontro, que contou com presidentes de Aprosojas de pelo menos seis Estados,  os agricultores receberam apoio de autoridades locais. “Temos a obrigação de discutir  a legislação”, afirmou o governador em exercício do Tocantins, Wanderlei Barbosa.  “Crédito e infraestrutura adequada são fundamentais para que o produtor possa produzir mais e melhor. O Tocantins só vai crescer com a força do agronegócio e o turismo”, disse o deputado estadual Ricardo Ayres, que representou a Assembleia Legislativa.

Após assistir a palestra do membro da Embrapa, o secretário de Agricultura do Tocantins, César Halum, reforçou a tese de defesa dos produtores. “Esses números encorajam o produtor. Ao conhecermos os números, temos a capacidade de argumentar e convencer. São dados enriquecedores para todos da cadeia produtiva”, afirmou. 
Segundo ele, o Estado deve produzir 4,7 milhões de toneladas de grãos nesta safra e que nos últimos 30 anos o Tocantins registrou crescimento de 560% na área plantada de soja e 760% na produção. “Estes números mostram o potencial de crescimento, agora necessitamos industrializar a soja no Tocantins, visando melhor arrecadação e geração de emprego no Tocantins”, disse.  “Aqui respeitamos a legislação que já é rígida. Nosso desafio é produzir e preservar”, completou.

Secretário de Estado do Meio Ambiente do Tocantins, Renato Jaime, presente no evento, afirmou que o desafio da pasta é “trabalhar dentro da lógica da razoabilidade”. “Política pública se constrói com alianças, a palavra correta é o diálogo.”

Fonte: Aprosoja TO

0 comentário